Geraizeiros: cultura, resistência e lutas no Cerrado mineiro

Conhecidos como guardiões do Cerrado, os povos Geraizeiros do norte de Minas, lutam e resistem para poderem reproduzir cultura e modos de vida

É no norte de Minas Gerais, em meio às chapadas, vales, veredas e grotas, que vivem os povos reconhecidos tradicionalmente como geraizeiros. Uma população fortemente enraizada à paisagem do gerais – sinônimo de Cerrado. A relação desse povo se estabelece de forma muito especial, particular e politicamente relevante ao bioma.

De acordo com Carmem Gouveia, geraizeira do distrito de Vale das Cancelas, em Grão Mogol, e militante do MAB, essas famílias estão na região há mais de sete gerações. “Como bons conhecedores do Cerrado e suas espécies, os geraizeiros se adaptam às características do bioma e suas possibilidades de produção, garantindo a subsistência familiar. Eles cultivam lavouras diversificadas, como milho, mandioca, andu, frutas e verduras, e plantam tudo junto e em pequena quantidade, pois muitos lugares não tem água”, afirma Carmem.

Além de plantar e cultivar, os geraizeiros fazem coletas de espécies nativas do Cerrado, como frutos, raízes, ervas medicinais, mel silvestre, madeira e demais produtos que o gerais oferece a seus guardiões. Em troca, os geraizeiros contribuem com a propagação de espécies, proteção das chapadas e dos animais, e principalmente na linha de frente da luta contra os empreendimentos à serviço do capital, que exploram e destróem a biodiversidade local.

Os geraizeiros foram reconhecidos pelo Governo Federal somente em fevereiro de 2007, a partir do Decreto Nº 6.040, que instituiu a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. No entanto, foi apenas em 2018 que os geraizeiros de Grão Mogol, Padre Carvalho e Josenópolis, que se dividem nos núcleos Tingui, Lamarão e Josenópolis, receberam a Certidãode Autodefinição, concedida pela Comissão Estadual para o Desenvolvimento Sustentável de Povos e Comunidades Tradicionais de Minas Gerais (CEPCT-MG).

Mais que povos tradicionais, os geraizeiros são conhecidos como guardiões do Cerrado. Bioma marcado por um histórico de desvalorização e representações sociais negativas, considerado pobre e sem beleza quando se comparado a outros biomas – consequência das razões conjunturais e da exploração dos segmentos dominantes da sociedade. As populações locais contrapõem estes significados sobrepostos a paisagem do gerais, com experiências e atividades cotidianas que comprovam a riqueza ecológica e mostram as possibilidades e potencialidades dos agroecossistemas, além do desenvolvimento de relações sociais e culturais especificas dos povos do Cerrado.

Foto: Peter Caton/ISPN

Tempos atrás, o território geraizeiro era conhecido como “terras livres”, porque não existia cercas e propriedades privadas. As terras eram de uso comum e os contornos de cada família e comunidade eram guardados apenas na memória. Os animais, o gado e os suínos eram criados soltos nas áreas de chapadas. 

A chegada das empresas e a mudança da paisagem

A chegada das empresas mudou o cenário e o povo livre e sem preocupações com a demarcação das terras, se tornou vítima de grileiros, por não possuírem o documento de posse das terras, perderam as propriedades para as empresas.

Ao longo das últimas décadas a região foi tomada por extensos plantios de eucalipto, que impactou diretamente no modo de vida da população local. O plantio foi impulsionado por uma política de Estado em meados da década de 1970, que viabilizou o arrendamento de terras tidas como “desocupadas” para as empresas. O desenvolvimento dessa cultura causou e vem causando severos impactos ao território geraizeiro, desde a perda da biodiversidade e escassez de água, até as relações sociais e culturais do povo. Além das empresas de eucalipto, a região também foi invadida por outras empresas, como a Mantiqueira Transmissora de Energia e a empresa Sul Americana de Metais – SAM, que não respeitam e desconsideram os direitos das famílias que são atingidas.

Foto: Coletivo de Comunicação do MAB

A organização popular

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) está organizado em comunidades geraizeiras na bacia do Jequitinhonha e no Alto Rio Pardo. Para Carmem Gouveia “o MAB trouxe conhecimento dos direitos humanos, e do direito a vida para as pessoas. O movimento está aqui na região desde 2011 e nós travamos grandes lutas contra as empresas de eucalipto, mineração, e agora contra as linhas de transmissão e contra o governo que não atende a zona rural.” 

O movimento junto às outras organizações locais, trabalham a fim de garantir os direitos do povo que são violados pelas empresas, na busca de melhorias para a região. Em meio a todos os desafios encontrados, os geraizeiros lutam pela retomada do seu território e pela garantia das condições para a reprodução do seu modo de vida e cultura.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 24/07/2020 por Idalino de Vargem Grande do Rio Pardo/Minas Gerais

Geraizeiros das gerais

Poema por Idalino de Vargem Grande do Rio Pardo/Minas Gerais

| Publicado 27/07/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Relato de um geraizeiro: a luta por manter viva uma identidade

Adeilson Ferreira Agostinho, Comunidade Água Boa II, em Rio Pardo, fala da luta para manter viva a cultura de sua comunidade

| Publicado 11/07/2020

Ensino a distância no Vale do Jequitinhonha exclui estudantes da área rural

Jovens estudantes têm relatado a dificuldade do aprendizado e de acordo com as professoras, muitos estão desistindo dos estudos