PA: Atingidos pelos portos do agronegócio interditam rodovia no Tapajós

O ato realizado foi uma forma de chamar atenção e deixar um recado tanto para as empresas como para os poderes públicos em todos os níveis, seja federal, estadual ou municipal.

Atingidos do bairro Nova Miritituba, do Distrito de Miritituba em Itaituba (PA) interditaram a via transportuária para chamar atenção do poder público e das empresas do agronegócio sobre os descasos sociais que tem prejudicado a vida das populações deste território. A ação foi feita junto à associação do bairro, Conselho de Fiscalização dos Investimentos e Empreendimentos no Distrito de Miritituba (CONGEFIMI) e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

O Distrito de Miritituba está sendo tomado pelos portos do agronegócio, em um modelo de “desenvolvimento” e “progresso” que só tem uma finalidade, o lucro. O sonho de um verdadeiro desenvolvimento que traga melhorias de vida para o povo dessa região mais uma vez vai sendo encoberto pela poeira das carretas, mortes no trânsito, prostituição, violência e descaso social de modo geral.

Os direitos dessas populações mais uma vez não estão sendo respeitados, as empresas estão se instalando no território e cada vez mais aumenta as mazelas sociais gerando a violação de direitos humanos.

Os investimentos em saneamento, educação e saúde nunca serão prioridade para as empresas, os poderes públicos executivo e legislativo traçam uma política sem transparência, pois o povo não sabe onde são aplicados os recursos advindo dos portos. O município de Itaituba chega a receber em torno de 9,5 milhoes de reais anualmente advindo dos impostos gerados pelos portos.

Em oposição a esta riqueza, um dos exemplos visíveis desse modelo de desenvolvimento que não serve para essas populações é o espaço onde deveria ser uma creche no bairro Nova Miritituba, que está tomado pelo mato e com a obra parada.

É preciso muita luta popular para garantir os direitos dessas populações. A soja e o milho têm passado e deixado um rastro de destruição, o descaso social é visível, as políticas públicas não estão dentro deste modelo de desenvolvimento, portanto essa forma de desenvolver e de empreender não condiz com a realidade local.

O ato realizado foi uma forma de chamar atenção e deixar um recado tanto para as empresas como para os poderes públicos em todos os níveis, seja federal, estadual e municipal.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 31/07/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Moradores de Conselheiro Lafaiete (MG) reivindicam acesso a serviços básicos

Moradores do bairro Topázio sofrem com a falta de acesso ao saneamento básico, água, energia elétrica e calçamento nas ruas

| Publicado 05/08/2020 por Elisa Estronioli / Coletivo de Comunicação MAB

STF mantém medidas para proteger povos indígenas na pandemia

O Supremo Tribunal Federal (STF) referendou a decisão que obriga o governo federal a adotar medidas para preservar a vida e a saúde dos povos indígenas durante a pandemia de Covid-19

| Publicado 08/06/2020

Atingidos do Pará distribuem cestas básicas para mil famílias

A ação de solidariedade teve como objetivo auxiliar famílias em situação de vulnerabilidade socioeconômica devido à pandemia de covid-19 na região amazônica.