Atingidos reúnem mais de 30mil assinaturas pela manutenção do AFE no rio Doce

Abaixo-assinado foi protocolado hoje (30) pela atingida Joselita Maria, de Colatina/ES, durante reunião do Comitê Interfederativo

Foto: Thaís Gobbo

O corte do Auxílio Financeiro Emergencial (AFE) foi anunciado pela Fundação Renova no final de junho, com a justificativa de que milhares dos atingidos “não preenchiam os requisitos necessários estabelecidos no Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC) para recebimento do AFE”. 

Sem aviso prévio ou justificativa para os comitês de trabalho e instituições de justiça, o cancelamento dos auxílios foi uma decisão ilegal e em meio a pandemia, impedindo a participação em reuniões. 

Com representação da Advocacia-Geral da União na Vara Federal onde corre o processo judicial do rio Doce, o corte anunciado pela Fundação Renova foi suspenso, mas ainda não representa uma vitoria plena. A intenção da Renova aponta para uma possível redução do valor do auxílio e uma política de transição para a suspensão do mesmo.

De acordo com Joselita Maria de Jesus, atingida de Colatina/ES, que protocolou o abaixo-assinado no CIF durante a reunião ordinária de hoje, “mesmo com a suspensão do corte, a Fundação diz que o auxílio só será mantido até dezembro. Quero saber como é que o pescador vai sobreviver, já que o que ele tinha era o peixe e por culpa do crime das mineradoras, hoje não tem mais. Agora, se cortarem o cartão sem a gente ter certeza nem da água que a gente bebe, como vamos fazer?” indagou. 

Para Joselita, o não reconhecimentos das pessoas como atingidas é  “para não pagar a indenização e empurrar tudo isso com a barriga, como têm feito. Peço que tenham piedade com aqueles que tiveram o alimento tirado da boca dos seus filhos e que não façam o que estão prometendo, que é cortar o cartão até dezembro” finalizou. 

Dada a incapacidade da Fundação Renova em executar a reparação e a compensação de forma satisfatória, atentamos para a redução do valor do auxilio para a maior parte dos beneficiários, que aponta para a possível suspensão do direito ao AFE no ano de 2021.

A Fundação já manifestou na justiça o entendimento de que os danos causados ao meio ambiente não são tão grandes assim, a partir dos estudos pagos às custas da reparação. Enquanto isso, os atingidos seguem com dificuldades de comprovar aquilo que experienciam na prática: a contaminação só aumenta.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e os atingidos organizados, que assinaram o abaixo-assinado, ressaltam que o fim do AFE esteja condicionado à chegada das assessorias técnicas em campo, estudos independentes sobre água e pescado, iniciativas consistentes de retomado do trabalho e renda, reconhecimento das 17 mil famílias que aguardam o reconhecimento do direito e o pagamento de todos aqueles que não receberam. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 07/07/2020

MAB lança petição virtual contra corte de auxílios no rio Doce (MG)

A iniciativa é parte da mobilização social contra os cortes de milhares de auxílios financeiros em uma ação ilegal, autoritária e covarde da Samarco, Vale, BHP Billiton em plena pandemia mundial

| Publicado 28/07/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Com mais de 30 mil assinaturas, MAB envia petição para órgão do IBAMA contra cortes de auxílio no Rio Doce

Iniciativa foi mobilizada por causa dos cortes de auxílios de pescadores e será enviada para reafirmar o papel do IBAMA e cobrar que a reparação seja com a participação dos atingidos

| Publicado 04/07/2020 por João Paulo / Coletivo de Comunicação MAB

Em meio a pandemia, Vale anuncia corte de auxílio dos atingidos no rio Doce

Em carta aos beneficiados, Fundação Renova alega que a manutenção do pagamento “não se justifica”; atingidos do Espírito Santo estão revoltados com a medida da empresa