Em meio a pandemia, Vale anuncia corte de auxílio dos atingidos no rio Doce

Em carta aos beneficiados, Fundação Renova alega que a manutenção do pagamento “não se justifica”; atingidos do Espírito Santo estão revoltados com a medida da empresa

Nesta semana, atingidos pelo crime da Vale na bacia do Rio Doce (com o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana) receberam, por carta, a notícia de que o auxílio financeiro emergencial será cortado e realizaram manifestações no Espírito Santo e em Minas Gerais.

Na última quarta-feira (1), houve ocupação da linha do trem em Mascarenhas, divisa de Baixo Guandu e Colatina e na quinta-feira (2), em Maria Ortiz, em Colatina.

Apesar da liminar de desocupação chegar em nome do movimento, o MAB informa que não planejou ou participou da ocupação, que foi espontânea, a partir da grande revolta gerada com o anúncio do fim do pagamento.

A Fundação Renova, criada pelas empresas sócias da Samarco e corresponsáveis pelo dano socioambiental e econômico causado na região, alega que a manutenção do auxílio “não se justifica”, e diz estar amparada em estudos que atestam que o ambiente contaminado pelo crime já retornou às condições anteriores e que, portanto, não haveria impedimento para o exercício de nenhuma atividade, como, por exemplo, a pesca.

Para parte das famílias, este é o único rendimento da casa, já que os atingidos da região seguem impedidos de exercer suas atividades diretamente ligadas ao Rio Doce, ao contrário do que alega a Renova, que diz se basear em um estudo que até então não veio ao conhecimento público.

Basta circular pela região para perceber que a contaminação só aumenta, como o último período chuvoso demonstrou. Atividades como a pesca, mesmo onde é permitida, ainda encontram a barreira da desconfiança do consumidor. Além disso, a Renova continua deslegitimando o território do litoral como atingido, mesmo os rejeitos tendo sido espalhados pelo mar capixaba.

Cabe às instituições públicas, de justiça, organizações da sociedade civil do Espírito Santo e Minas Gerais se manifestarem contra essa proposta de “minimizar” o dano causado após cinco anos do crime sem reparação justa aos atingidos.

Mais do que apenas cortar o auxílio emergencial – que manteve a subsistência das famílias neste período – a minimização dos danos distribui por toda a sociedade o prejuízo causado pelas mineradoras, com aumento dos problemas de saúde, demanda por assistência social e os óbvios e graves prejuízos ambientais já comprovados por inúmeras pesquisas.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 05/10/2020 por Brasil de Fato - MG

Jornada de Lutas marca cinco anos do rompimento da barragem em Mariana (MG)

Organizada pelo MAB, jornada vai até 5 de novembro e recebe nomes importantes em lives e atos presenciais

| Publicado 22/09/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Espírito Santo

Quem ganha com a não contratação das Assessorias Técnicas no Rio Doce?

Passado mais de um ano da homologação da contratação das Assessorias Técnicas, empresas e judiciário cozinham o direito dos atingidos em fogo baixo

| Publicado 21/10/2020 por Brasil de Fato - MG

Vale propõe fim de Auxílio Emergencial para atingidos em Brumadinho (MG)

Audiências sobre o tema acontecem nos dias 22 e 23 de outubro. Pessoas atingidas já iniciaram protestos