Vitória após três décadas: atingidos pela UHE Samuel (RO) conquistam construção de ponte

Após idas e vindas, atingidos de Itapuã do Oeste, em Rondônia, conquistam construção de ponte que liga a cidade à zona rural

Foto: Diário da Amazônia

Quase três décadas depois de idas e vindas, a compensação social da hidrelétrica de Samuel saiu do papel no dia 3 deste mês. A conquista faz parte de uma dívida social histórica que o conjunto do estado brasileiro tem a partir da construção da usina com os atingidos de diversos municípios ao longo do rio Jamary.

A hidrelétrica de Samuel, localizada em Candeias do Jamari, começou a ser construída no início da década de 1980, e levou mais de 10 anos para ser concluída. Depois de pronta, os problemas sociais e ambientais gerados com o enchimento do seu reservatório só aumentaram e se agravaram, ao mesmo tempo em que o número de atingidos cresceu.

Os atingidos de Itapuã do Oeste lutam há mais de 31 anos por seus direitos, entre os principais impactos no município estão a elevação do lençol freático e encharcamento do solo, a luta gerou uma pauta extensa e negociação com a Eletronorte, processo que dura anos.

Em 2011, o MAB realizou uma grande assembleia dos atingidos reunindo aproximadamente 600 pessoas do município, onde reafirmou as pautas reivindicadas, apresentadas em três eixos, sendo:

– Plano de reestruturação e desenvolvimento dos municípios e comunidades da região atingida pela UHE de Samuel;

– Plano de reassentamento das famílias atingidas da região;

– Plano de fortalecimento da pesca e aquicultura familiar;

Após muita pressão, luta e persistência, o movimento garantiu em ata que a Eletronorte se comprometesse com a construção da ponte sobre o Rio Jamari que liga a cidade de Itapuã do Oeste à zona rural.

A ponte começou a ser construída ainda em 2002 e foi entregue em 2004, por meio de um convênio com a empresa. No entanto, faltava o aterro, providenciado pela prefeitura. Com o início do aterro, parte da ponte desabou e até poucos meses atrás, a obra ainda estava abandonada.

Um impasse judicial entre a Eletronorte e a empresa contratada para o serviço de atribuição da causa do desabamento impedia que a obra fosse retomada. Para sanar o problema, enquanto a ponte não saia, a Eletronorte contratou uma empresa para fazer a travessia de balsa, que saia a cada meia hora.

A obra, que ficou tanto tempo sem conclusão, era o símbolo da frustração de quem mora do outro lado do rio, nas estradas vicinais B-40 e T-120.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 17/06/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

Após pressão, estados aderem a benefícios nas tarifas de água e energia durante pandemia

População de baixa renda cadastrada em programas sociais não terá serviços cortados e vai receber isenção no pagamento, em alguns casos. Conquista do MAB com outras entidades surgiu com o objetivo de estimular quarentena

| Publicado 11/07/2020

Em MG, famílias de baixa renda terão descontos nas contas de água e energia

Com pressão social, medida emergencial proposta por movimentos populares é sancionada pelo governo de MG; medida passa a valer a partir da publicação da PL 1.971/2020

| Publicado 12/07/2020 por Grasiele Be / Coletivo de Comunicação MAB

Com falta de manutenção na rede, gaúchos sofrem com desabastecimento de energia após ciclone

Distribuidora de energia, RGE é a responsável por inúmeras perdas em áreas rurais