Eletricitários entrarão em greve contra privatização da Eletrobrás

Na próxima semana, categoria deve paralisar as atividades em todo o Brasil, movimentos sociais apoiarão as ações A categoria dos eletricitários, organizados na CNE (Coletivo Nacional dos Eletricitários) anunciou hoje […]

Na próxima semana, categoria deve paralisar as atividades em todo o Brasil, movimentos sociais apoiarão as ações

A categoria dos eletricitários, organizados na CNE (Coletivo Nacional dos Eletricitários) anunciou hoje (08) que entrarão em greve nos dias 11, 12 e 13 de junho, segunda, terça e quarta da semana que vem.

A paralisação de 72h trás como principal reinvindicação defesa da Eletrobrás, frente aos constantes ataques sofridos com a tentativa de privatização do setor elétrico.

Segundo o CNE, a expectativa é que a adesão ao movimento seja feita pelos 24 mil funcionários do sistema Eletrobras.

Devem parar os funcionários das áreas administrativas e atividades fins, como operação e manutenção de todas as empresas de geração, transmissão e distribuição de energia: Furnas, Chesf, Eletrosul, Eletronorte, Eletrobras e o Centro de Pesquisa de Energia Elétrica (Cepel), além das distribuidoras do estados do Piauí, Rondônia, Roraima, Acre e Amazonas.

A Plataforma Operária e Camponesa, o MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens) e diversas outras organizações estão orientando sua militância para que apoiem as ações dos eletricitários estimulando a luta contra as privatizações.

Para Gilberto Cervinski, da coordenação nacional do MAB e da POCE, o momento é de muita luta para que o povo não sofra no futuro.

“Se não enfrentarmos a privatização do setor elétrico, certamente teremos novos aumentos abusivos nas tarifas de energia elétrica, castigando o povo ainda mais, além de perdermos o controle de nossos recursos naturais, principal riqueza do país que poderá ser entregue na mão das empresas do capital financeiro internacional. Não podemos permitir que o povo brasileiro pague a conta do golpe com mais exploração. Vamos lutar por uma Eletrobrás pública e a serviço do povo”, afirma Cervinski.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho