No RJ, trabalhadores protestam na Eletrobras contra privatizações

por Thiago Alves, do Rio de Janeiro Fotos: Joka Madruga Cerca de 300 atingidos por barragens e eletricitários realizaram, na manhã desta quarta-feira (9), manifestação na sede da Eletrobras, no […]

por Thiago Alves, do Rio de Janeiro

Fotos: Joka Madruga

Cerca de 300 atingidos por barragens e eletricitários realizaram, na manhã desta quarta-feira (9), manifestação na sede da Eletrobras, no Rio de Janeiro. Eles protestaram contra o projeto da estatal de privatizar empresas do setor elétrico, provocando queda na qualidade dos serviços e aumento dos preços.

A proposta prevê a privatização de sete empresas de distribuição nos estados do Amazonas, Acre, Goiás, Rondônia, Piauí, Alagoas e Roraima. Para Nailor Gato, presidente do Sindicato dos Eletricitários de Rondônia e vice- presidente da Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), o que está em curso no Brasil é um processo de entrega da soberania nacional. 

“Entregar para a inciativa privada empresas de um território tão imenso e em um setor tão importante é enfraquecer a presença do Estado brasileiro em uma região estratégica. Como tudo isto vai provocar a precarização do trabalho, a terceirização em massa e a piora na prestação dos serviços, a população não vai ter condições de ficar neste imenso território, boa parte na Amazônia legal. O despovoamento e a piora na qualidade de vida se tornarão um desdobramento de grandes e tristes repercussões, incluindo no seu desenvolvimento humano e econômico”, afirmou Nailor.

Magno dos Santos Filho, diretor de formação do Sindicato dos Eletricitários do Rio de Janeiro e secretário de organização da FNU, relembrou o que significou a privatização da Light. “Antes de ser vendida, a Light era uma empresa reconhecida pela sua qualidade recebendo prêmios de desempenho e trabalhando com 12 mil funcionários. Agora, privatizada, depois de demitir 8 mil trabalhadores, a empresa amarga condições terríveis, um símbolo de péssimo serviço prestado”, comentou. “Me aponte um processo de privatização que deu certo, que os serviços melhoraram, que a sociedade brasileira saiu ganhando”, questionou Magno, relembrando aos manifestantes que o exemplo do Rio janeiro deve deixar claro sobre o quanto temos que lutar contra as privatizações.

Lutar contra a privatização é lutar por direitos no campo e na cidade

A manifestação no prédio do Eletrobrás faz parte da Jornada Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), em defesa dos direitos dos atingidas e atingidas em todo o país. Entre as dezenas de manifestações realizadas em todas as regiões estão o encontro que reuniu mais de 800 mulheres na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), a paralização da linha da Vale no município de Belo Oriente (MG) e o protesto na sede da mesma mineradora no bairro do Leblon, no Rio de Janeiro, todos para denunciar o crime da Samarco, Vale e BHP Billiton, que matou 19 pessoas em Mariana, provocou um aborto forçado pela lama e acabou com todo o Rio Doce.

Para Gilberto Cervinski, da coordenação nacional do MAB, é fundamental estar nas ruas contra a sistemática violação dos direitos humanos no setor elétrico brasileiro, que incluiu a cobrança de tarifas abusivas e a inexistência de legislação federal que garanta os direitos dos atingidos e atingidas no Brasil. “Lutar contra as privatizações é justamente buscar impedir que os bancos e as transnacionais avancem no controle de um setor tão importante para o desenvolvimento nacional. A tática dessas empresas é lucrar por meio da cobrança dos mais altos preços do mundo, mesmo nossa fonte sendo a mais barata e eficiente”, explicou.

Gilberto também lembra que a Jornada é realizada em memória das vítimas de Mariana e pela justiça no caso do assassinato de Nicinha, militante do MAB em Rondônia. “Onde está Nicinha? A família ainda não exerceu o direito de chorar seu enterro e o inquérito está enrolado. Não há nenhuma preocupação das autoridades para esclarecer este crime, que tirou a vida de uma atingida que lutava contra as injustiças causadas pela barragem de Jirau, hidrelétrica em que a Eletrobras e o Grupo Suez detêm 40% da propriedade,” questiona.

Os atingidos continuam mobilizados no Rio de Janeiro. Durante a tarde, eles vão se dirigir para a sede do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), onde irão cobrar o avanço da pauta nacional dos atingidos. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 21/12/2023 por Coletivo de Comunicação MAB PI

Desenvolvimento para quem? Piauí, um território atingido pela ganância do capital

Coletivo de comunicação Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) no Piauí, assina artigo sobre a implementação de grandes empreendimentos que visam somente o lucro no território nordestino brasileiro