Primeira reunião nacional dos atingidos por barragens

A luta das populações atingidas por barragens contra as injustiças praticadas por empresas e governos na construção destas obras é antiga. No início, eram protestos isolados, pouco organizados. Mesmo assim, neste período, houve lutas significativas, como no caso da construção de Itaipu, no Rio Paraná, onde a organização dos atingidos ganhou força mesmo durante a ditadura militar no Brasil. Os agricultores atingidos pela construção da barragem, organizados no Movimento Justiça e Terra, acamparam em frente ao escritório da empresa em Santa Helena, no Paraná, exigindo abertura de negociações. Este foi um dos primeiros acampamentos que temos registro na organização dos atingidos.

Também, nesse momento, houve registro de lutas em outros estados como: São Paulo, Bahia, Pernambuco, Pará, Rio Grande do Sul, entre outros focos espalhados pelo país. Da troca de experiências é que surgiu a ideia de realizar uma primeira reunião nacional dos atingidos por barragens. A decisão foi tomada em um encontro em Chapecó, em Santa Catarina, em 1987.

Go Back
Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Luta dos trabalhadores garante continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia na pandemia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 04/06/2020

Tarifaço nas contas de luz em tempos de pandemia

O Governo Federal (Decreto Nº 10.350/2020) e a Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL (Consulta Pública nº 35/2020) decidiram impor à sociedade uma série de medidas para salvar os altos lucros dos agentes empresariais e financeiros do setor elétrico. Essas iniciativas terão como resultado um “tarifaço” de grande impacto financeiro que será repassado nas contas de luz dos 73,5 milhões de consumidores residenciais a partir de 2021.

| Publicado 05/06/2020

Não Pagar, não cortar!

Frente à crise que o mundo está vivendo com a pandemia do Covid-19 e o aumento da sua transmissão no Brasil, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) propõe uma série de medidas para proteger a vida dos trabalhadores e das trabalhadoras do país. Para isso é fundamental garantir a isenção de tarifas de serviços essenciais

| Publicado 05/06/2020

Coração da Divisa: documentário aborda conflito entre comunidade tradicional e mineradora

Exploração minerária colocará em risco território remanescente da mata atlântica em Minas Gerais