Propostas para Tratado Vinculante de Direitos Humanos e Empresas a partir de Brumadinho (FIAN / MAB)

A FIAN Internacional, organização parceira do MAB, construiu um estudo que análise propostas para um Tratado Vinculante de Direitos Humanos e Empresas a partir do que ocorreu no caso de Brumadinho (MG). O MAB participou com contribuições desta importante análise. MAB e FIAN Internacional seguem juntos na luta pelo fim da impunidade corporativa, como é o caso da Vale. Leia o documento:

Download
Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 12/11/2020 por Cristiane Sampaio / Brasil de Fato

O que o apagão do Amapá diz sobre a privatização do setor elétrico no Brasil

Empresa privada não tinha transformador reserva e foi socorrida pela Eletrobras, estatal que Bolsonaro quer vender

| Publicado 10/11/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

MAB propõe programa social de renda para atingidos da bacia do rio Paraopeba, em MG

Programa garantirá a continuidade do pagamento mensal para os atingidos pelo crime da Vale (2019) pelos próximos cinco anos, e o aumento do critério ao longo da bacia, que hoje abarca só a população que mora na faixa de 1km do rio

| Publicado 10/11/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Espírito Santo

“Renova, nós não estamos quites!”, afirmam atingidos

As empresas não ouvirem as vítimas no processo decisório da reparação é o atestado de incompetência do Estado brasileiro em fazer justiça quando grandes interesses atropelam pequenas comunidades