Veredas Sol e Lares: avança a primeira grande experiência de gestão popular da geração e distribuição de energia elétrica

Implementação de usina fotovoltaica em Grão Mogol com gestão popular é fruto da luta dos atingidos do Vale do Jequitinhonha (MG)

No seminário ‘Nossa União Faz Nossa Luz”, 120 pessoas celebraram e debateram a fundação da primeira associação de “prossumidores” (produtores e consumidores) de geração distribuída de energia elétrica, em Araçuaí (MG). Foto: Esther Maria Guimarães – Aedas/Veredas Sol e Lares

A partir de fevereiro de 2023, a Usina Veredas Sol e Lares beneficiará até 1.250 famílias de baixa renda no norte de Minas Gerais com descontos na fatura da CEMIG, através de créditos de energia. Instalada em Grão Mogol (MG), a usina foi viabilizada através de um projeto de pesquisa e desenvolvimento tecnológico e será gerida pelos próprios beneficiários organizados na Associação Veredas Sol e Lares.

Fundada no último dia 18 de novembro, em Araçuaí (MG), a associação irá atuar na produção (implementação, operação e manutenção da usina), uso e compensação da energia fotovoltaica que será produzida, visando o desenvolvimento regional. Entre os sócios fundadores, é marcante a presença majoritária de mulheres jovens, negras e trabalhadoras rurais, que têm atuado na pesquisa e na mobilização das comunidades de 21 municípios incluídos atualmente no projeto.

Fruto de anos de luta dos atingidos por barragens, a experiência é um marco mundial no modelo de produção e acesso à energia, constituindo-se um importante exemplo de gestão popular. No último dia 19, 120 pessoas participaram do planejamento das próximas etapas do projeto durante o seminário macrorregional “Nossa União Faz Nossa Luz”, realizado em Araçuaí (MG).

Entre os 15 sócios fundadores da Associação Veredas Sol e Lares, é marcante a presença de mulheres, negros(as), jovens e trabalhadores(as) rurais. Foto: Esther Maria Guimarães – Aedas/Veredas Sol e Lares

As riquezas do Vale

Ao escrevermos “Vale do Jequitinhonha” no indexador do Google, o buscador traz diversas referências à “pobreza”, “lítio” e “cidades mais pobres” de Minas. O estigma da miséria tem sido utilizado como justificativa para a implementação de grandes empreendimentos de mineração e monocultura de eucalipto no território, focados na geração de lucros para o investidores internacionais. Em torno disso, ergueu-se também um projeto energético fundado na construção de usinas hidrelétricas para abastecimento de grandes empresas, impactando diversas comunidades atingidas com problemas socioambientais.

Uma experiência como a do projeto Veredas Sol e Lares, entretanto, evidencia e potencializa as riquezas culturais e organizativas do povo do Vale do Jequitinhonha e da região do Rio Pardo, que têm construído nada menos do que a primeira grande experiência de gestão popular da geração distribuída de energia elétrica do mundo. Neste contexto, a Associação Veredas Sol e Lares tem potencial para se tornar o maior exemplo de associativismo do Brasil, que irá gerir a maior usina fotovoltaica flutuante da América Latina e produzir metodologias inovadoras de planejamento popular. Todos esses aspectos de pioneirismo demonstram a capacidade da região de avançar e influenciar todo o mundo na construção de uma alternativa energética fundada no direito à energia e no controle popular.

Nossa União Faz Nossa Luz

O seminário “Nossa União Faz Nossa Luz” foi um momento de celebrar essas riquezas e avançar nesse projeto. Na ocasião, toda a diversidade da região – núcleos urbanos, comunidades rurais, quilombos, povos indígenas, geraizeiros e ribeirinhos – puderam se informar sobre o processo jurídico de construção da associação, sobre a viabilidade econômica da usina e sobre a organização popular necessária para a sua manutenção. Tudo isso foi costurado pelas intervenções de músicos que entoavam canções populares para animar o espaço e celebrar as riquezas da cultura do Jequi e do Rio Pardo.

Espaço interativo na Instalação Artístico Pedagógica (IAP) construída durante o seminário, utilizada para rememorar os principais momentos do projeto Veredas Sol e Lares. Foto: Esther Maria Guimarães – Aedas/Veredas Sol e Lares

Uma série de ferramentas pedagógicas compuseram a metodologia do seminário – cartilhas, cancioneiros, vídeos e apresentações. No vídeo abaixo, em que os versos do militante do MAB e pesquisador popular Lucas Martins narram a história do Veredas, você pode conferir algumas das pautas debatidas no seminário e a apresentação das obras da usina que são fruto, não só de um projeto de engenharia, mas de décadas de construção da luta dos atingidos na região.

Conteúdos relacionados
| Publicado 01/08/2022 por Roberta Brandão

Projetos de energia justa, popular e democrática são debatidos na Tenda do MAB durante Fospa

Durante 4 dias, evento reuniu participantes de nove países na Universidade Federal do Pará para debater a defesa do território e dos direitos dos povos da Amazônia

| Publicado 31/08/2021 por Coletivo de Comunicação MAB RS

MAB instala placas solares para aquecimento de água em Porto Alegre (RS)

A tecnologia vai promover um desconto de 30% na tarifa de energia dos beneficiados no bairro Lomba do Pinheiro

| Publicado 13/12/2022 por Vinicius Konchinski do Brasil de Fato

Reestatização da Eletrobras é possível e urgente, dizem membros de GT de Transição

Privatização do controle da companhia de energia tende a aumentar contas de luz em até 25%