Farra dos acionistas: Bolsonaro tenta o último saque aos cofres da Petrobras

Estatal antecipará o pagamento de R$ 43,7 bilhões em dividendos para cobrir o rombo com a campanha. “Irresponsabilidade com a empresa e com o país”, critica Gleisi Hoffmann

O procurador de contas junto ao TCU pediu que o tribunal suspenda imediatamente a distribuição antecipada de dividendos (Agência Petrobras – Site do PT)

“Da mesma forma que prometeu ao eleitorado mundos e fundos sem previsão no Orçamento de 2023, o desgoverno Bolsonaro tenta agora, no apagar das luzes, o último saque aos cofres da Petrobrás para cobrir o rombo com as medidas eleitoreiras”.

A gestão bolsonarista da estatal decidiu nesta quinta-feira (3) antecipar o pagamento de R$ 43,7 bilhões em dividendos aos acionistas. A medida já é contestada na Justiça.

Os R$ 43,7 bilhões devem ser distribuídos em dezembro e janeiro, como uma antecipação do resultado do terceiro trimestre do ano fiscal de 2022 – R$ 22 bilhões devem ir para o Tesouro Nacional. O lucro líquido no período foi de R$ 46,096 bilhões.

A antecipação só passará pelo crivo da Assembleia Geral Ordinária (AGO) de acionistas em abril de 2023. Em 2022, a antecipação de distribuição de dividendos já atinge R$ 179,98 bilhões, quase o dobro dos R$ 101 bilhões distribuídos em 2021.

Alguns integrantes do Conselho de Administração (CA) da Petrobrás foram contra essa antecipação, apontada como uma tentativa de cobrir os gastos com a campanha pela reeleição de Jair Bolsonaro. Para a presidenta nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, a sangria “é uma irresponsabilidade com a empresa e com o país”. “É a farra do Paulo Guedes, para cobrir os gastos eleitorais do governo Bolsonaro”, criticou.

]“Não concordamos com essa política que retira da empresa sua capacidade de investimento e só enriquece acionistas. A Petrobrás tem de servir ao povo brasileiro”, afirmou a deputada paranaense em seu perfil no Twitter.

* Reportagem originalmente publicada no portal pt.org.br

Conteúdos relacionados
| Publicado 28/11/2022 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Veredas Sol e Lares: avança a primeira grande experiência de gestão popular da geração e distribuição de energia elétrica

Implementação de usina fotovoltaica em Grão Mogol com gestão popular é fruto da luta dos atingidos do Vale do Jequitinhonha (MG)

| Publicado 28/11/2022

Atingidos de Garabi e Panambi têm nova conquista na luta contra complexo hidrelétrico

Em sua última decisão sobre o caso, TRF4 nega pedido para encaminhar para o STF processo sobre retomada de projeto de usina hidrelétrica

| Publicado 08/09/2022 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Por que a energia brasileira é a segunda mais cara do mundo? Entenda em 5 pontos

Com aumentos no governo Bolsonaro, em média, brasileiro passou a gastar 25% do orçamento para pagar a conta de energia