Nota de solidariedade aos povos Migueleno, Kujubim e Puruborá em Rondônia

Movimentos e organizações sociais de Rondônia manifestam solidariedade a povos indígenas diante de ataques por grupos bolsonaristas

Assembleia Puruborá. Foto: Ana Vilacy Galucio, 2007.

Nos solidarizamos com os povos Migueleno, Kujubim e Puruborá, na região do Vale do Guaporé, em Rondônia, bem como, repudiamos os ataques racistas e anti-indígenas que têm sido veiculados por grupos de WhatsApp com o intuito de angariar votos de forma chantagista para o candidato dos bolsonaristas.

Nos últimos dias, um vídeo com informações falsas sobre a demarcação dos territórios dos povos Migueleno, Kujubim e Puruborá tem sido utilizado como forma de promover o ódio contra os povos indígenas. Além da área apresentada no vídeo não corresponder aos territórios que já deveriam ter sido demarcados, ele se opõe ao cumprimento da lei. Os direitos dos povos indígenas, entre os quais está a demarcação do território, estão previstos na Constituição Federal e cabe ao Estado a garantia desses direitos.

Que as medidas cabíveis sejam adotadas pelo Ministério Público Federal e pela Justiça Federal, punindo exemplarmente os responsáveis e garantindo toda a proteção necessária às lideranças indígenas da região. Da mesma forma, a Justiça Eleitoral deve atuar de forma enérgica, uma vez que por trás dos ataques resta nítida a intenção de favorecer o candidato à Presidência da República pelo Partido Liberal.

A luta indígena é uma luta de todos, pela floresta, pela vida e pelo bem viver!

Associação das Guerreiras Indígenas de Rondônia – AGIR.
Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé.
Associação Indígena Maxajã.
Comissão Pastoral da Terra – CPT.
Conselho Indigenista Missionário – CIMI.
Conselho de Missão Entre Povos Indígenas – COMIN.
Comitê da Bacia Hidrográfica dos Rios São Miguel – Vale do Guaporé – Rondônia.
Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira – COIAB.
Instituto Padre Ezequiel Ramin – IPER.
Instituto Territórios e Justiça – INTERJUS.
Movimento Bem Viver.
Movimento Juventude Indígena de Rondônia.
Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB.
Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA.
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST.
Organização dos Povos Indígenas de Rondônia, Noroeste do Mato Grosso e Sul do Amazonas – OPIROMA.
União da Juventude
Comunista – UJC

Conteúdos relacionados
| Publicado 13/11/2020 por Via Campesina

NOTA DE REPÚDIO DA VIA CAMPESINA AO SEQUESTRO E TORTURA DE MILITANTE DO MPA EM RONDÔNIA

Movimentos denunciam sequestro e tortura de militante do MPA em Rondônia no ultimo dia 7

| Publicado 04/08/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

É urgente deter o genocídio indígena

Movimento cobra que STF mantenha as obrigações do governo federal em auxiliar e proteger povos indígenas da pandemia

| Publicado 17/10/2022 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

No Brasil de Bolsonaro: brasileiros voltam a migrar pelo país tentando escapar da insegurança alimentar

Conheça a história de Florinda, militante do Movimento dos Atingidos por Barragens, que se mudou de Caldeirão Grande (BA) para a capital paulista em busca de fonte de renda, mas encontrou uma realidade da insegurança alimentar, desemprego e falta de moradia