Seminário reúne atingidos pela Vale e outros grandes empreendimentos em São Luís (MA)

Atingidos e representantes de diferentes organizações sociais discutiram sobre violação de direitos cometidas por empresas como a Vale, Eneva, Alumar, Votorantim e outros empreendimentos que atuam no Maranhão

No último dia 04, lideranças de 12 bairros e comunidades rurais da capital maranhense estiveram presentes no Seminário dos Atingidos (as) pela Vale, que foi realizado na sede do Instituto IEMA, no bairro Vila Embratel.

O evento contou com a participação de mais de 50 pessoas e teve como tema “os impactos socioambientais da Vale e de outros empreendimentos na vida dos moradores de Itaqui-Bacanga, (área da cidade de São Luís) e da zona rural do município.

Em debate sobre o modelo de mineração brasileiro, os atingidos discutiram sobre as constantes violações de direitos humanos que sofrem a partir da atividade econômica das empresas Vale, Eneva, Alumar, Votorantim e outros empreendimentos que atuam no estado. Na programação, também foram relembrados os rompimentos de barragens de responsabilidade da Vale, em Mariana (MG) e Brumadinho (MG), maiores crimes socioambientais do Brasil.

“A vale tira os nossos recursos com a promessa de empregos e só deixa destruição. Nós, assim como os moradores de Mariana e Brumadinho, precisamos estar juntos para lutar e dar visibilidade, até internacionalmente, para as nossas comunidades ribeirinhas, extrativistas, pescadoras, que só têm aquilo que é herdado dos pais e avós, que é o território, a terra e a natureza”, destacou a participante Maria Máxima em sua fala. A moradora pertence à comunidade Rio dos Cachorros, que é atingida pela indústria de pelotização (processo de compressão de minério) da Vale e ameaçada pelo projeto do polo siderúrgico, além de outros empreendimentos situados na área industrial próxima à comunidade.

O seminário iniciou-se com uma mística da luta pela preservação da natureza em defesa da vida

“Essas empresas não estão só transportando minério e alumínio, mas estão atuando ideologicamente, contaminando as mentalidades dos jovens, para que estes mantenham uma posição calma diante dessas ações degradantes”, destacou Andrey, professor de uma escola rural de São Luís e militante do Sindieducação.

Ione Oliveira, moradora do bairro Argola e Tambor, também denuncia a articulação feita pela Vale para abafar as denúncias sobre sua atuação predatória. “A Vale fez o trabalho de relacionamento com a comunidade, que podemos ler como “alienação”. Através da cooptação, silencia a comunidade em troca de migalhas”, afirmou a participante, que é militante da Marcha Mundial de Mulheres.

O encontro foi construído pelo MAB, a Marcha Mundial de Mulheres, a Rádio Bacanga, a Plataforma Operária e Camponesa da Água e Energia (Pocae), o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), a Associação do Rio dos Cachorros e lideranças locais. Também estiveram presentes no Seminário outras 11 organizações, como o REOCUPA, o SindEducação, a Rede de Mulheres das Águas, Mares e Manguezais Amazônicos e o Coletivo de Vereadores Nós (PT), entre outras.

Conteúdos relacionados
| Publicado 01/02/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Maranhão

Em São Luís (MA), população sofre efeitos da contaminação da água em região de atuação da Vale

Em reunião com lideranças do bairro Gapara, MAB recebeu denúncias sobre má qualidade da água causando doenças aos moradores

| Publicado 29/11/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MA

MAB realiza I Encontro dos Atingidos de Aurizona (MA) para fazer balanço das ações realizadas

O Encontro, que contou com participação de diversas organizações parceiras, também tinha o objetivo de fortalecer a organização popular local a partir da experiência de atingidos de outras regiões do Brasil e da América Latina

| Publicado 25/11/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MA

Relatório sobre rompimento de barragem em Aurizona (MA) é aprovado pelo Conselho Nacional de Direitos Humanos

Documento sobre rompimento da barragem da Mineração Aurizona S/A – MASA denuncia violação do direito dos atingidos ao acesso ininterrupto à água potável; à informação, à participação e a um padrão digno de vida. Relatório também cobra ações de reparação por parte dos responsáveis