Em Seminário, Via Campesina-Brasil irá discutir diversidade sexual

Evento terá participação de pessoas LGBTI do campo, das águas e das florestas. A programação inclui a discussão de temas como a conjuntura política e os desafios do período de pandemia

Nos dias 24 e 31 de julho, das 14h às 17h30, a Via Campesina-Brasil realizará o 1ª Seminário das LGBTI da Via Campesina-Brasil. O espaço será virtual, via Zoom, e contará com a participação das LGBT do campo, das águas e das florestas de todo o país.

Com o objetivo de refletir sobre os desafios da luta pelo território, pela terra e por soberania alimentar, a atividade pretende realizar uma leitura comum sobre a atual conjuntura e os impactos da mesma na vida das LGBTI.

A Via Campesina é uma organização internacional de camponeses composta por movimentos e organizações populares. A organização visa articular os processos de mobilização social dos povos em nível internacional. Com a realização desse primeiro seminário a proposta é que esse espaço possa acumular para consolidação o debate sobre diversidade sexual e gênero no interior dos movimentos e organizações que compõe a Via no Brasil.

Sobre a realização desse debate, Dê Silva, do Coletivo LGTBI da Via Campesina-Brasil, afirma que essa discussão dá visibilidade aos sujeitos que historicamente foram invisibilizados no campo, nas águas e nas florestas. Para ela, debater esse tema é reafirmar o caráter popular da Via Campesina e outras organizações sociais. É uma forma de desmistificar essa ideia do campo majoritariamente masculino e cisgênero. A gente sabe que o campo historicamente sempre teve diversidade. Os LGBT e as mulheres apenas não foram enxergados no processo de lida com a terra e no processo de luta pela terra.”

Por isso, Dê reforça a importância da realização do seminário para reafirmar os direitos de cada sujeito e cada sujeita que compõem as fileiras das organizações sociais. “Esse tema se relaciona com a luta de nossos movimentos, porque eles são populares, são de luta e vem para reforçar o nosso caráter. Reafirmam também o nosso compromisso com a luta de classes, com a democratização do campo e da terra e reafirmam ainda que os nossos movimentos se comprometem com a diversidade humana. Nós estamos empenhados e empenhadas na construção dessa nova sociedade. E acreditamos que essa nova sociedade precisa ser baseada no respeito com o diverso”, explica .

Programação

Durante os dois dias serão discutidos temas como: “Análise de Conjuntura Política e os desafios neste período de pandemia”, “Diversidade Sexual e de gênero e Lutas de Classe no campo, nas Águas e nas Florestas”, “Os desafios da diversidade sexual e de gênero no movimento internacional da Via Campesina” e os “Desafios da pauta LGBTI na Via Campesina nacional e internacional”.

Os temas serão mediados por militantes das organizações que compõem o Coletivo LGBTI da Via Campesina-Brasil, dirigentes de diversos movimentos populares da Via, convidados do Movimento LGBTQIA+, como a presidenTRA da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais (ABGLT), Symmy Larrat, e integrantes da Via Campesina Internacional.

Além do português, o Seminário terá tradução para o inglês e espanhol.

*Wesley Lima é jornalista, integrante do Coletivo LGBTI Via Campesina-Brasil e do Setor de Comunicação do MST

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 04/12/2020 por Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - MST

Via Campesina Brasil realiza 1ª Plenária LGBTI do Campo e lança cartilha de estudos

A plenária reunirá pessoas LGBTI do campo, do Brasil, numa discussão sobre a papel da diversidade sexual e de gênero na luta contra o patriarcado e o agro-hidro-minério-negócio

| Publicado 20/07/2021

Luta dos atingidos pelo crime da Vale garante a continuidade do auxilio financeiro emergencial

Programa terá duração de aproximadamente quatro anos e deve pagar meio salário mínimo para cada pessoa adulta

| Publicado 23/07/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Rondônia

NOTA | A privatização causa a terceirização. A terceirização causa a morte e perda de direitos!

Dois trabalhadores são mortos por soterramento durante manutenção das turbinas da Hidrelétrica de Santo Antônio, em Porto Velho (RO). Operários eram funcionários de empresa terceirizada