Via Campesina Brasil realiza 1ª Plenária LGBTI do Campo e lança cartilha de estudos

A plenária reunirá pessoas LGBTI do campo, do Brasil, numa discussão sobre a papel da diversidade sexual e de gênero na luta contra o patriarcado e o agro-hidro-minério-negócio

No próximo sábado (5), às 15h, o recém criado Coletivo LGTBI da Via Campesina realiza a Plenária Virtual das LGBTI da Via Campesina Brasil. Com o objetivo de discutir temas centrais como a luta contra a violência, o patriarcado e o agro-hidro-minério-negócio, a Plenária reúne pessoas LGBTI do campo que integram diversos movimentos e organizações populares da Via.

Na Plenária também será lançada a primeira cartilha da Via Campesina Brasil que aborda o tema da diversidade sexual no campo.

Intitulada “Diversidade Sexual e de Gênero na Via Campesina: Rompendo o silêncio sobre a existência das LGBTI no campo”, a publicação reúne textos que apresentam um diagnóstico da luta LGBTQI+ no Brasil e no mundo, além de reflexões sobre a sexualidade camponesa com base na luta política construída pelos movimentos que constituem a Via Campesina.

Com dados sistematizados da violência contra a população LGBTQI+, poesia, música e tendo como referências autores que dialogam com a materialidade das lutas populares e dimensões importantes da classe trabalhadora, como a raça, classe e gênero, a Cartilha se apresenta como um instrumento importante para massificar as discussões em torno da diversidade sexual e de gênero. 

A Via Campesina é hoje a maior articulação de trabalhadores do mundo, com atuação em 70 países de todos os continentes. Dessa forma, as populações do campo buscam construir a solidariedade internacional, a partir das lutas e articulações de base.

No Brasil, os principais movimentos e organizações de luta camponesas compõem a Via, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), Movimento de Pequenos Agricultores (MPA), Movimento Pela Soberania Popular na Mineração (MAM), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), a Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq), Pastoral da Juventude Rural (PJR) e a Comissão Pastoral da Terra (CPT).

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 03/12/2020 por LUNA GÁMEZ

Hidrelétrica em Mato Grosso funciona ignorando irregularidades ambientais e sociais

A Usina Hidrelétrica de Sinop, no Rio Teles Pires, já está em funcionamento há mais de um ano. Até agora, no entanto, a população atingida não foi devidamente reparada pelos impactos ambientais e sociais

| Publicado 03/12/2020 por Proteja Amazônia

Teles Pires: Audiência inédita vai escutar povos indígenas atingidos por hidrelétrica, em MT

Ação Civil Pública movida, há mais de seis anos, pelo Ministério Público Federal motivou a realização da audiência, que além dos indígenas dos povos Apiaká, Kayabi e Munduruku, conta com a presença de representantes da Companhia Hidrelétrica Teles Pires

| Publicado 03/12/2020 por Elisa Estronioli / Coletivo de Comunicação MAB

Belo Monte terá que liberar mais água do rio Xingu no Pará

Conforme determinação do IBAMA, Belo Monte terá que liberar mais água para Volta Grande do Xingu, região sofre com a seca