NOTA | O preço da luz no RS é um roubo!

ANEEL aprova aumento de 9,95% da tarifa de luz no Rio Grande do Sul

No dia 15 de junho, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou o reajuste tarifário anual da RGE Sul Distribuidora de Energia S.A. O reajuste tem efeito médio de 9,95% e começou a vigorar no último dia 19. A companhia atende 381 municípios gaúchos, cerca de 2,9 milhões de consumidores, ou seja, 65% da distribuição de energia elétrica consumida no Rio Grande do Sul.

Segundo análise do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), o aumento se dá como consequência do empréstimo de R$ 15,3 bilhões, concedido às empresas do setor elétrico em maio de 2020. Essa manobra acumulará um impacto superior a R$ 20 bilhões, que serão integralmente cobrados nas contas de luz da população nos próximos 54 meses, tendo iniciado em junho deste ano. 

Outro impacto se dá no esvaziamento proposital dos reservatórios das hidrelétricas. O fato é que isso favoreceu as empresas privadas proprietárias de hidrelétricas e, ao mesmo tempo, permitiu se beneficiar os proprietários de térmicas, que são os mesmos donos das hidrelétricas, já que em nome de uma suposta “crise hídrica” o ONS e a ANEEL autorizaram o funcionamento das usinas térmicas, com preços 5 vezes mais caros, que são transferidos para a conta de luz. 

Na fila dos aumentos também entrarão as consequências da privatização da Eletrobrás. A Medida Provisória nº 1.031/21 foi aprovada na Câmara e Senado e segue para aprovação presidencial. Além de entregar ao capital um gigantesco patrimônio público, a privatização causará aumento de aproximadamente 20% (conforme dados da ANEEL) nas contas de luz da população por um período de 30 anos.

Diante desta série de ataques, o Movimento dos Atingidos por Barragens no Rio Grande do Sul denuncia tais manobra que têm por objetivo privilegiar os já privilegiados donos de empresas do setor elétrico e banqueiros. A entrega de patrimônios públicos estratégicos ao capital privado já acontece há décadas e um exemplo disso é a própria RGE, fruto de um processo de privatização que resultou em piora no serviço prestado e aumento significativo no preço da tarifa. 

Salientamos que essas medidas vão na contramão da superação da crise enfrentada pelo povo brasileiro e, por isso, seguiremos denunciando os ataques e em permanente mobilização e luta, em defesa da soberania nacional e contra as privatizações.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 16/08/2021 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Em audiência na Câmara, MAB cobra esclarecimentos da Aneel sobre aumentos abusivos na energia

Atualmente, a tarifa de energia do Brasil é a segunda mais cara do mundo.

| Publicado 31/08/2021 por Coletivo de Comunicação MAB RS

MAB instala placas solares para aquecimento de água em Porto Alegre (RS)

A tecnologia vai promover um desconto de 30% na tarifa de energia dos beneficiados no bairro Lomba do Pinheiro

| Publicado 29/06/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens

A farsa da crise hídrica no setor elétrico

Discurso de seca na região sudeste camufla a realidade e serve para justificar aumentos abusivos na conta de luz do povo brasileiro, permitindo aos agentes empresariais do setor elétrico lucrar alto na pandemia