Seis anos após o crime de Mariana, atingidos da comunidade de Paracatu se manifestam por reassentamento

334 famílias de Bento Rodrigues, Paracatu de Baixo e Gesteira – distritos de Mariana que foram totalmente devastados – ainda não foram reassentadas.

Canteiro de obras para construção de casas para atingidos após 6 anos do crime da Bacia do Rio Doce demonstra negligência da Fundação Renova responsável pelo reassentamento

Os atingidos do rompimento da Barragem da Samarco (Vale e BHP Billiton) em Mariana (MG) paralisaram carros da Fundação Renova nesta manhã de quinta-feira, dia 17, reivindicando agilidade nas obras do reassentamento, contratação de mão de obra local e uma reunião com a fundação para negociar as pautas de luta.

Quase seis anos depois do rompimento da barragem do Fundão não há ainda não há nenhuma casa erguida no reassentamento da comunidade de Paracatu, distrito de Mariana, que foi destruída pelo rejeito. Hoje, os atingidos cobram por uma data de entrega do reassentamento e por explicações sobre motivos pelos quais as obras estão atrasadas.

Muitos atingidos tiveram comprometidas suas condições de trabalho após o rompimento e não houve ações de reestruturação econômica na comunidade de Paracatu e nem no resto da bacia do Rio Doce. Dentre os vários postos de trabalho criados para a reparação dos danos, poucos foram destinados aos atingidos. Os poucos postos de trabalho destinados aos moradores locais atingidos pelo crime são de sinaleiros ou de faxineiras, com baixa remuneração. Os atingidos cobram por prioridade de contratação como mão de obra local.

A Fundação Renova não compareceu à manifestação para diálogo com os atingidos, mas enviou um comunicado prometendo uma resposta às demandas até a próxima sexta-feira (18). A polícia militar apareceu no local e fez a mediação entre os atingidos, a Andrade Gutirrez (empreiteira responsável pelas obras de reparação) e a Fundação Renova. O grupo de atingidos, acompanhado pela polícia, visitou o canteiro de obras após o término das manifestações. Eles afirmaram que vão continuar em luta até que a pauta seja atendida.

O Movimento dos Atingidos por Barragens se solidariza e se compromete com a luta pelos direitos dos atingidos pelas empresas Samarco (Vale e BHP Billiton).

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 17/06/2021 por Coletivo de Comunicação do MAB PA

Com ares de conquista histórica, Assembleia do Pará instala CPI da Vale

Concessão de incentivos fiscais e ausência de segurança em barragens são alguns dos temas de investigação sobre a atuação da mineradora no território paraense

| Publicado 12/02/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Espírito Santo

Camaroeiros da Praia do Suá, no Espírito Santo, recebem valor do Lucro Cessante referente ao crime da Samarco

Com a assinatura do acordo, em dezembro de 2019, os camaroeiros receberam as parcelas referentes ao período retroativo; a partir de agora, receberão anualmente o valor acordado. Conquista é fruto de luta e organização da categoria

| Publicado 22/09/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Espírito Santo

Quem ganha com a não contratação das Assessorias Técnicas no Rio Doce?

Passado mais de um ano da homologação da contratação das Assessorias Técnicas, empresas e judiciário cozinham o direito dos atingidos em fogo baixo