Plenária contra a privatização da Eletrobras mobiliza parlamentares e mais de 800 participantes

Durante a plenária foram discutidas diretrizes da mobilização contra a privatização da Eletrobras, que será votada no Senado em breve. Para deputados, senadores e outras lideranças que participaram do encontro, a Medida Provisória 1.031/21, aprovada na Câmara dos Deputados, promove o desmonte do setor elétrico brasileiro

Em Plenária realizada na manhã desta terça-feira (1º), senadores, deputados e mais de 800 participantes se reuniram para debater e definir diretrizes de luta para impedir a privatização da Eletrobras. Coordenada pelo deputado federal, Pedro Uczai (PT-SC), a atividade faz parte do calendário de lutas e mobilizações em defesa da Eletrobras pública. Uczai alertou aos participantes da necessidade de pressionar os senadores a votarem contra a Medida Provisória 1.031/21, que promove o desmonte do setor elétrico brasileiro.

Em uma apresentação, o ex-ministro de Minas e Energia, Nelson Hubner, rebateu os argumentos do governo para viabilizar a entrega da estatal à iniciativa privada. Para Hubner, “é um erro absoluto do ponto de vista de uma economia liberal concentrar todo o patrimônio na mão de um único grupo. É um crime contra a economia popular, a sociedade brasileira e contra o patrimônio público”, enfatizou.

De acordo com o ex-ministro, a medida vai afetar todas as regiões, principalmente, o Norte e Nordeste, onde a estimativa de aumento de custo da energia é maior. “Todos os estados vão perder”, afirmou.

Para o senador Jean Paul Prates (PT-RN) é um “delírio” do governo tratar da venda de ativos em um momento de grave crise sanitária. Ele aponta como inapropriado discutir o futuro da Eletrobras por Medida Provisória, que indica o encarecimento da energia ao consumidor.

Prates acrescentou ainda que o governo não apresentou um modelo definido de privatização. Além de não expor estudos dos efeitos tarifários para a população e os impactos da medida para os trabalhadores e trabalhadoras da estatal.

O deputado federal Henrique Fontana (PT-RS) criticou a política de desmonte aplicada pelo governo Bolsonaro no Brasil. Ele destacou que, “não há nenhum país no mundo vendendo um sistema lucrativo, qualificado e estratégico como a Eletrobras”.

Para completar, Fontana defendeu o fortalecimento do setor elétrico estatal e ressaltou que para a construção de um “projeto de desenvolvimento nacional, potente e qualificado” é necessário impedir a votação da MP 1031/21 no Senado.

Nailor Gato, representante do Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE) afirmou que a privatização da Eletrobras “é um verdadeiro saqueio do patrimônio público, que busca privilegiar os já privilegiados, como banqueiros e especuladores”. Ele disse ainda que “as usinas do Sistema Eletrobras são as melhores do país, as mais eficientes e que tem o menor custo de produção de energia”.

Para o eletricitário, a população não pode “aceitar tamanha agressão”. Nesse sentido, convocou as entidades sindicais e movimentos populares a ampliar e intensificar a luta em defesa da Eletrobras pública. “Essa é uma luta da classe trabalhadora”.

O representante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Leonardo Maggi, enfatizou que a Eletrobras deve atuar para atender o interesse do povo brasileiro é que é imprescindível a defesa da estatal pública. Maggi lembrou que, neste mês de junho, a Eletrobras, ameaçada pela privatização, completa 59 anos de existência, construída com “suor e sangue” dos brasileiros.

 “Energia é um bem absolutamente fundamental para tecer a soberania de país. É também fundamental para o desenvolvimento industrial, agrícola e social, para que possamos ter o bem viver nesse país. Energia não é mercadoria”, disse a deputada federal, Erika kokay (PT-DF).

Mobilização

Ao final da atividade foram definidas iniciativas para impedir a aprovação da MP no Senado. Entre elas, a realização de audiências públicas nas Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais, com a votação de moções de repúdio à iniciativa do governo de desmonte da Eletrobras. A realização de uma grande atividade nacional no dia 11 de junho, data de fundação da empresa. Além de ampliar a votação da sugestão legistativa no Senado, que proíbe a privatização da Eletrobras. Para votar, acesse o link: https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=148553

A atividade contou ainda com a participação do Senador Paulo Paim (PT-RS), da Senadora Zenaida Maia (Pros-RN), o deputado Glauber Braga (Psol-RJ), deputado Paulo Pimenta (PT- RS), o deputado Helder Salomão (PT-ES), representantes do Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE), Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), da Federação Nacional dos Petroleiros, representantes do Sindicato dos trabalhadores dos Correios, dentre outras entidades.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 15/06/2021

Quatro mentiras sobre a privatização da Eletrobras

Ao contrário do que diz o governo, a tarifa vai subir e apagões serão cada vez mais prováveis se a Eletrobras for privatizada, avaliam especialistas

| Publicado 20/05/2021 por MAB

Câmara dos Deputados aprova MP da privatização da Eletrobras que vai aumentar a tarifa de energia para os brasileiros

Texto da Medida Provisória segue para o Senado. Se for aprovado, o governo perde o controle sobre o setor energético brasileiro e a população deve arcar com o custo maior da conta de luz e possíveis apagões

| Publicado 19/05/2021 por MAB

Privatização Eletrobras deve provocar aumento de 20% na tarifa de luz para a população

Além de aumento na tarifa de energia, privatização pode provocar precarização do setor elétrico e novos apagões no país como aconteceu recentemente no Amapá