Nota da POCAE em solidariedade aos trabalhadores em greve da Petrobras Biocombustíveis

Trabalhadores lutam contra a privatização da subsidiária que é uma das maiores produtoras de biodiesel do país.

Trabalhadores da PBio em Montes Claros (MG) em greve contra à privatização da estatal. Foto: Sindipetro MG

 A Plataforma Operária e Camponesa de Água e Energia (POCAE) manifesta todo o seu apoio e solidariedade à greve dos trabalhadores petroleiros/as da Petrobras Biocombustíveis – PBio. A greve por tempo indeterminado foi deflagrada no dia 20 de maio, paralisando as atividades nas usinas de Candeias (BA), Montes Claros (MG) e na sede administrativa da subsidiária no Rio de Janeiro. O objetivo é barrar a privatização da PBio, anuciada em julho de 2020, e garantir o emprego e os direitos dos/as trabalhadores/as dessas unidades.

A PBio, fundada em 2008, é uma das maiores produtoras de biocombustíveis do país, produzindo biodiesel a partir de oleaginosas, gordura animal e óleos residuais provenientes da agricultura familiar. Trata-se, portanto, de uma empresa estratégica que possibilitou a diversificação produtiva da Petrobras e que executa uma política nacional de transição energética, produzindo energia por outros meios que não a de origem fóssil, uma tendência em todo mundo. A PBio representa a construção de um futuro que prioriza e concilia o desenvolvimento social com a responsabilidade ambiental.

O Governo Bolsonaro, neste momento grave de crises sanitária, econômica e ambiental, ao invés de insistir na privatização das empresas públicas, deveria priorizar a efetivação da vacinação, do auxílio emergencial e outras medidas que garantam dignidade ao povo e contribuam para a construção de um futuro socialmente e ecologicamente justo. A venda da PBio é mais um dos crimes de Bolsonaro contra a soberania nacional. É um processo de saqueio e pilhagem de patrimônio público e só beneficiará os grupos privados que dão sustentação ao governo.

Com isso, a POCAE expressa toda solidariedade e apoio aos petroleiros em greve e convoca todas as organizações da classe trabalhadora brasileira a se mobilizarem contra os ataques aos direitos trabalhistas a ao entreguismo de Bolsonaro, que, neste momento, vende a preço de banana empresas estratégicas para o país, como as refinarias e subsidiárias da Petrobras e também a Eletrobras.

Devemos seguir mobilizados para que estas empresas sejam 100% públicas, e que cumpram seu papel de impulsionar a construção de um futuro com soberania e um desenvolvimento justo, com destinação de recursos para a saúde, educação, ciência, tecnologia, incentivo a alternativas energéticas, emprego e direitos para o povo brasileiro.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 24/05/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Nota | O desmonte do licenciamento ambiental não interessa ao povo brasileiro

Confira nota oficial do MAB sobre o Projeto de Lei 3.729, aprovado na Câmara dos Deputados. O texto enfraquece os órgãos ambientais do país e a representatividade popular no processo de licenciamento ambiental e pode provocar novas tragédias nas obras de infraestrutura, O projeto segue agora para votação no Senado.

| Publicado 24/05/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Atingidos pelo crime da Samarco (VALE\BHP) na Bacia do Rio Doce exigem direito à voz no processo de reparação

Após quase seis anos do crime de Mariana (MG), mineradoras tentam repactuação com o Governo de Minas Gerais, excluindo totalmente os atingidos da participação no acordo.