Nota: Não ao termo de compromisso positivo entre o MPMG e a Mineradora SAM

Acordo entre Ministério Público de Minas Gerais e Sul Americana de Metais pode ser fechado sem consulta às Comunidades Geraizeiras do Vale das Cancelas, que será atingida pelo empreendimento da mineradora

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), prevê assinar, nessa semana
(iniciada no dia 17/05) um acordo entre ele e a Sul Americana de Metais (SAM) sobre o Projeto Bloco 8, que pretende instalar um empreendimento minerário no Território Tradicional do Vale das Cancelas.

Assim como aconteceu com as comunidades atingidas pelo crime da Vale no
Rio Paraopeba, as COMUNIDADES GERAIZEIRAS DO TERRITÓRIO
TRADICIONAL DE VALE DAS CANCELAS, cujo território a SAM pretende
explorar, não foram consultadas sobre esse possível acordo, mesmo tendo o direito de consulta e consentimento prévio, livre e informado garantido pela Convenção 169 da OIT.

Da mesma forma, não foram consultadas as populações do Vale do
Jequitinhonha, de Berilo/MG a Belmonte/MG (que serão atingidas pelos impactos do projeto sobre o Rio Jequitinhonha em cujo afluente, o Rio Vacarias, a SAM pretende construir uma barragem), do Rio Pardo, as comunidades quilombolas e vacarianas de Peixe Bravo ou os povos indígenas e as comunidades tradicionais atingidas pelo
mineroduto que a SAM pretende construir para escoar o minério em Ilhéus/BA.

Esse acordo é mais um passo no sentido de retirar das comunidades e povos o direito e a liberdade de decidir sobre sua vida e sobre seu futuro.
Qual o interesse da celebração desse acordo neste momento se o
empreendimento sequer foi licenciado?


Quem vai se beneficiar com a destruição dessa ampla região, que envolve o
Norte de Minas, a bacia do Jequitinhonha, do Rio Pardo até o Sul da Bahia?
O projeto da SAM é o mais violento projeto de mineração previsto no Brasil, o qual vai monopolizar o controle da água da região, inviabilizando o modo de vida de muitas comunidades do Norte de Minas, no Vale do Rio Pardo até o Sul da Bahia.

Além dos povos atingidos estarem fora de qualquer negociação, o projeto da
empresa já demonstrou o risco de desastres, crimes ambientais irreversíveis e a falta d’água no Norte de Minas. Qualquer acordo nesse momento não só vai beneficiar o projeto de morte da SAM, mas favorece, mesmo que indiretamente, o licenciamento do mineroduto – a cargo do IBAMA e sem o qual o Projeto Bloco 8 é inviável – atingindo as vidas das e dos geraizeiras/os e de diversos outros povos e comunidades tradicionais
do Norte de Minas Gerais e do Vale do Jequitinhonha até o Sul da Bahia,
Os ataques aos povos indígenas e às comunidades quilombolas e tradicionais, como as Comunidades Geraizeiras do Vale das Cancelas, intensificam-se num momento em que se deveria priorizar a vida, o acesso à vacina contra a COVID-19, o combate à fome a defesa das águas, do cerrado e dos territórios tradicionais.

Os danos socioambientais causados pelo empreendimento da SAM, assim como os direitos dos povos, não podem ser negociados, mas devem ser levantados e mitigados como preveem as leis de licenciamento ambiental. É esse o objetivo da Ação Civil Pública que trata do caso, ao contrário do que ocorre com a assinatura de um termo de compromisso positivo sem participação das comunidades atingidas. Esse acordo “preventivo” pode facilitar o licenciamento ambiental da empresa, uma vez que não contempla os danos percebidos pelas comunidades tradicionais aos
seus territórios. O Ministério Público faz o acordo e o povo sofre com o avanço do projeto que prevê, só no complexo minerário, a remoção de 11 comunidades.

Como fiscal da lei, o Ministério Público deve garantir a participação das
Comunidades Geraizeiras do Vale das Cancelas em qualquer ação que trate do seu território. O Ministério Público de Minas Gerais não deve assinar qualquer acordo antes de discuti-lo com as comunidades atingidas, como é de seu direito.

Mais um acordo sem participação que não pode acontecer!
Minas Gerais, 17 de maio de 2021.

Assinam esta nota:
Comunidades Tradicionais Geraizeiras do Vale das Cancelas
Movimento Geraizeiro Guardião do Cerrado
Articulação Rosalino Gomes de Povos e Comunidades Tradicionais
Articulação para o Monitoramento dos Direitos Humanos no Brasil
Cáritas Regional Minas Gerais
Coletivo Margarida Alves de Assessoria Popular
Comissão Pastoral da Terra – CPT
Conselho Indigenista Missionário Regional Leste – CIMI Leste
Conselho Pastoral dos Pescadores
FIAN Brasil
Grupo de Estudos em Temáticas Ambientais da UFMG – GESTA UFMG
Mandato do Deputado Federal Padre João – PT/MG
Movimento dos Atingidos por Barragem – MAB
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST
Movimento pelas Serras e Águas de Minas – MOVSAM
Movimento pela Soberania Popular na Mineração – MAM
Movimento Unido dos Povos e Organizações Indígenas da Bahia – MUPOIBA
Programa de Desenvolvimento Rural e Urbano da Arquidiocese de Montes Claros –
PRODERUR
Rede Igrejas e Mineração
Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares – RENAP
Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Grão Mogol
Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Riacho dos Machados
Articulação Velho Chico Vive
Observatório dos Vales e do Semiárido Mineiro (UFVJM)

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 03/06/2021 por Lina Anchieta / Coletivo de Comunicação MG

Atingidos se manifestam durante simulado de rompimento de barragem da Vale, em Ouro Preto (MG)

Durante uma passeata, os moradores excluídos do programa de remoção da mineradora reivindicavam o direito de serem reconhecidas como atingidos.

| Publicado 14/05/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Paraná

Audiências Públicas discutem construção de Usina de Salto Grande no sudoeste do Paraná

Os eventos foram insuficientes para discutir as demandas dos atingidos, que reivindicaram novas audiências antes da liberação do licenciamento.

| Publicado 25/05/2021 por Coletivo de Comunicação MAB SC

Passados 4 meses do rompimento de barragem em Florianópolis, atingidos cobram cumprimento de acordos

Mais de 50 famílias foram diretamente atingidas após o rompimento de uma represa de infiltração da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento, que fechou o canal de diálogo com a Comissão dos Atingidos