22 de Março: Manifesto da Comissão da Água em Tejuco/MG

Comissão da Água na comunidade do Tejuco, em Brumadinho/MG, divulga manifesto em defesa da água, pelo Dia Mundial da Água. Confira:

Nós, da Comissão da Água, moradores do Tejuco, atingidos violentamente pelo crime da Vale, denunciamos neste 22 de março de 2021, Dia Mundial da Água, a grave violação do direito humano fundamental de acesso à água, por qual passa a nossa comunidade – dentre tantas outras violações – provocada pela atividade predatória da mineração. Este manifesto, construído com o Fórum dos Atingidos e Atingidas pelo Crime da Vale em Brumadinho, Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM), Comissão Pastoral da Terra (CPT) e Região Episcopal Nossa Senhora do Rosário (RENSER), convoca a população para refletir e lutar contra a gravíssima situação que enfrentamos.

Vivemos tempos difíceis! O mundo sofre a pior pandemia do último século. A Organização Mundial da Saúde (OMS) conclama o mundo a lavar as mãos como forma de prevenção à COVID-19, utilizando-se do bem comum mais valioso da Terra. O acesso à água é um direito humano fundamental, reconhecido pela comunidade internacional e pelo direito brasileiro na Constituição Federal. No entanto, denunciamos que o atual modelo econômico inviabiliza o fornecimento de água em quantidade e qualidade para o povo e coloca em risco a própria vida na terra.

Água é fonte de toda vida na terra! Água é saúde! Água é bem viver!

A comunidade do Tejuco sofre com a contaminação das suas nascentes pela atividade predatória da mineração. Há dois anos denunciamos cotidianamente nosso estado de grave insegurança hídrica com constantes problemas relacionados à quantidade e à potabilidade da água. Nossas fontes naturais, benção divina da mãe terra, utilizada tradicionalmente pelo nosso povo, sempre preservadas, em outros tempos limpas e abundantes. Agora, estão contaminadas e irrisórias.

O crime/tragédia da Vale mudou nossas vidas para sempre!

O Acordo Judicial celebrado entre Governo de Minas e Vale cria mais um alerta: disfarçado de reparação e em nome do “desenvolvimento”, financiará mais destruição e beneficiará mineradoras e empreiteiras, como no caso do rodoanel. Este irá soterrar nascentes e atingirá o Aquífero Cauê, na Serra do Rola Moça, provocará desapropriações forçadas e destruirá patrimônios históricos/naturais por onde passar. O Rodoanel atende aos interesses das mineradoras da região, incluindo a própria Vale, facilitando o escoamento da produção de minério de ferro.

Ainda denunciamos, que apesar da destruição de vidas e do meio ambiente, as grandes mineradoras seguem com licenciamentos ambientais facilitados pelo governo mineiro. Segundo levantamento da CPT, de janeiro de 2019 até hoje, foram concedidas, apenas para a Vale, 10 licenças para a exploração de mineiro de ferro, incluindo uma autorização para a mineradora explorar a mina da Serrinha, em Piedade do Paraopeba (Brumadinho), ao lado do monumento natural “Mãe D’Água”.

Os problemas relacionados ao acesso à água de qualidade pela população também são realidade do Córrego do Feijão, do Parque da Cachoeira, do Aranha, e de outras comunidades na própria sede do município de Brumadinho e em diversas comunidades atingidas pelo crime da Vale na bacia do Rio Paraopeba.

“O desenvolvimento é uma viagem com mais náufragos do que navegantes” nos alertavam as palavras de Eduardo Galeano.

Água não é mercadoria! Minério não se bebe! O Vale não é turvo, não é da morte!

Reflitamos: É a água um bem infinito? A quem pertence? Podemos confiar na qualidade da água que chega à torneira? Como ficará a saúde sem acesso à água potável? É justo poucos lucrarem com a destruição das fontes de água? Como garantir um mundo melhor para as gerações futuras? Como ter futuro sem água?

Gritamos: As Minas são de água! O Vale é verde, é vida! Sonhamos com um mundo melhor! Outra realidade é possível, e necessária!

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 22/03/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Rio de Janeiro

Privatização do saneamento avança no Rio de Janeiro; confira a análise do MAB

Estudo do Movimento dos Atingidos por Barragens mostra o cenário da entrega da água para grandes empresas privadas

| Publicado 30/01/2021 por Claudia Rocha / Comunicação MAB

Dois anos após contaminação do Paraopeba pela Vale, atingidos seguem sem água de qualidade

Problemas no abastecimento, água de má qualidade, fornecimento intermitente são algumas situações relatadas pelos atingidos na bacia, em ato virtual neste sábado (30)

| Publicado 26/06/2020

Agricultores e piscicultores procuram outros trabalhos para garantir renda afetada pelo crime da Vale

Na bacia do rio Paraopeba, pequenos agricultores se viram como pode para sobreviver em meio as consequências do rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão