No Paraná, agricultores atingidos pela PCH Bedin têm área de plantio alagada

Com chuvas acima da média no sudoeste do estado e mudança no leito do rio pela barragem da PCH Bedin, 14 propriedades sofreram prejuízos

Com as chuvas acima da média neste início de ano, muitos prejuízos foram causados pelo barramento da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Bedin, em Renascença, no sudoeste do Paraná.

No sudoeste do estado, segundo o Simepar (Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná), a previsão de chuvas para o mês de janeiro era entre 130 a 230 milímetros, porém, o volume real chegou a 440mm na região.

Agora, que o rio não corre mais em seu leito normal, as águas avançaram sobre propriedades de famílias agricultoras em Renascença, Marmeleiro e Francisco Beltrão. No total, foram 14 propriedades atingidas pelo alagamento.

“Eu conheço esse rio há mais de 40 anos e sei que ele foi afetado e modificado por conta da usina. Nós começamos a ter prejuízos”, afirma um agricultor que preferiu ser identificado.

Os principais estragos relatados pelos agricultores foram em áreas de plantio de soja e pasto. “As famílias estão preocupadas, porque [o barramento] atingiu o fluxo d’agua do rio, tornando as propriedades áreas de risco, com perdas recorrentes principalmente da produção agrícola.”, relata Maristela Costa, da coordenação do MAB.

A PCH Bedin está localizada no Rio Santana e tem capacidade produtiva de 6MW de potência. A obra, que durou nove meses, foi inaugurada em novembro do ano passado, com a presença do governador do Estado, Carlos Massa Ratinho Jr., e do presidente Jair Bolsonaro, e é só um dos exemplos da política de negligência de ambos os governantes.

O descaso com as populações atingidas em nome do desenvolvimento a qualquer custo é a forma de atuação do Governo de Ratinho Jr.

No fim do ano passado, os deputados paranaenses aprovaram o Projeto de Lei n°633/2020 de autoria do governo do estado, que autoriza a construção de sete novas Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e Central de Geração Hidrelétrica (CGH), inclusive em territórios tradicionais.

Não há um debate qualificado com as famílias e uma política que garanta os direitos fundamentais dos atingidos, enquanto o governo paranaense segue construindo empreendimentos cujos impactos social e ambiental são ignorados, assim como a população atingida.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 25/03/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Santa Catarina

Rompimento da barragem da CASAN em Florianópolis: 2 meses sem reparação

Empresa não cumpre acordos firmados com atingidos referentes a atendimentos básicos imediatos e pagamentos às famílias que perderam tudo após o evento

| Publicado 30/09/2020 por Diego Ortiz / Coletivo de Comunicação do MAB

Obra da barragem Duas Pontes em Amparo (SP) é suspensa pela Justiça

Por decisão da justiça federal, a construção foi interrompida devido aos riscos e danos ambientais

| Publicado 18/09/2020

Famílias atingidas pela barragem de Acauã (PB) conquistam terra para reassentamento após 18 anos de luta

Em conquista histórica famílias atingidas pela barragem de Acauã, na Paraíba, organizadas no MAB, conseguem terra para reassentamento após mais de 18 anos de luta. Cinco áreas rurais com cerca de 330 hectares serão destinadas ao reassentamento