Obra da barragem Duas Pontes em Amparo (SP) é suspensa pela Justiça

Por decisão da justiça federal, a construção foi interrompida devido aos riscos e danos ambientais

Foto: Iza Bordotti

Na última terça-feira (29), a Justiça Federal, por meio da 1ª Vara Federal de Bragança Paulista, decidiu pela suspensão das obras de construção da barragem Duas Pontes, no Rio Camanducaia, na cidade de Amparo, no interior de São Paulo.

A decisão, com base em ação civil pública do Ministério Público Federal e do Ministério Público Estadual, foi baseada nos riscos e danos ambiental severos da obra, revogando a licença obtida pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) para realização.

De responsabilidade do DAEE, do governo do estado de São Paulo, a barragem de Duas Pontes é uma das obras que compõem o Plano Diretor de Aproveitamento dos Recursos Hídricos na Macrometrópole Paulista, plano elaborado e executado pelo governo do estado.

Duas Pontes é construída junto à barragem de Pedreira, no rio Jaguari, sendo ambas questionadas pelos seus grandes impactos sociais e ambientais, como o despejo de centenas de famílias, a falta de segurança para as famílias que vivem às margens do rio e abaixo da barragem, e o amplo desmatamento de áreas de preservação ambiental.

A própria barragem de Duas Pontes já foi questionada pelo fato de que a água do local é imprópria para consumo, o que contradiz com o suposto objetivo de abastecimento da população. Além disso, não há clareza nas informações de que as águas de ambas as barragens serão, de fato, para abastecimento da região de Campinas, uma vez que o debate das adutoras, que definem para onde a água irá, está adiado, o que significa que as obras tem sido realizadas sem garantias de sua finalidade e mesmo necessidade.

Cabe ressaltar que, da mesma forma que a barragem de Pedreira, o projeto e a construção da barragem de Duas Pontes foi realizada sem a participação plena e consentimento das populações atingidas, com ausência de informações claras, debate amplo, negando o direito de negação e também de definição de planos de segurança e de reparação das populações atingidas pela barragem.

O MAB entende que a suspensão é um passo importante na luta da população atingida. E ressalta que a decisão é também resultado da atuação dos atingidos e organizações sociais conjuntamente com a Frente Parlamentar em Defesa do Setor de Energia, Barragens, Saneamento Básico e Recursos Hídricos, da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, coordenada pela deputada Marcia Lia.

Uma audiência de conciliação, conforme determina a legislação, está agendada para dia 30 de outubro pelo juiz, com presença do MPF, representação do município de Amparo e DAEE, para estabelecer consenso entre as partes a respeito da construção da barragem.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 18/09/2020

Famílias atingidas pela barragem de Acauã (PB) conquistam terra para reassentamento após 18 anos de luta

Em conquista histórica famílias atingidas pela barragem de Acauã, na Paraíba, organizadas no MAB, conseguem terra para reassentamento após mais de 18 anos de luta. Cinco áreas rurais com cerca de 330 hectares serão destinadas ao reassentamento

| Publicado 29/09/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

MAB propõe programa social de renda para atingidos da bacia do rio Paraopeba, em MG

Programa garantirá a continuidade do pagamento mensal para os atingidos pelo crime da Vale (2019) pelos próximos cinco anos, e o aumento do critério ao longo da bacia, que hoje abarca só a população que mora na faixa de 1km do rio

| Publicado 01/10/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Com proibição de barragem a montante e novas regras para mineradoras, Lei que trata de segurança é sancionada

Legislação debatida neste ano no Congresso também traz a obrigatoriedade de um Plano de Ação Emergencial e proibição de ocupação de pessoas nas zonas de autossalvamento