Vale é condenada a pagar R$ 1 milhão a camponeses em Moçambique

Mineradora construiu barreira ao redor de complexo na cidade Moatize, impedindo população de chegar a seus territórios

Foto: Vale/Reprodução

Ouça o áudio.

A Justiça de Moçambique condenou a mineradora Vale a indenizar camponeses depois que sua empresa no país, a Mina Carvão Moatize, construiu uma barreira ao redor de seu complexo minerário em Moatize, cidade da província de Tete, impedindo a população de chegar a seus territórios. 

Segundo a decisão do Tribunal Judicial da Província de Tete, a empresa deve pagar 158 mil euros, o equivalente a aproximadamente R$ 1 milhão, a 48 camponeses de Moatize.

A sentença

“Há dano na medida em que a vedação causou, entre outros impactos, o bloqueio da estrada vicinal”, utilizada “pelos camponeses para chegar a Chidwé e outras regiões ao sul da área concessionada”, diz a sentença.

De acordo com o juiz que assinou o documento, Justo Mulembwé, as atividades nas “machambas”, os campos agrícolas, foram esvaziadas, uma vez que a distância a ser percorrida se tornou “humanamente impossível”.

Para o magistrado, a barreira construída pela Vale colocou em risco a segurança alimentar e nutricional dos camponeses e violou a Lei de Minas de Moçambique ao passar por cima das comunidades pertencentes à região explorada.

No início do julgamento, em 2019, a mineradora chegou a defender que o Estado moçambicano é a parte que deveria ser responsabilizada por não ter realizado a devida fiscalização da área, quando a empresa iniciou as atividades na região, de acordo com o jornal Carta de Moçambique.

A Vale em Moçambique 

A empresa está no país desde 2004, quando ganhou uma disputa para explorar uma das maiores bacias carboníferas do mundo, no Distrito de Moatize, na Província de Tete. Três anos depois, em 2007, assinou o contrato de concessão com o governo moçambicano, e, em 2011, iniciou a exploração. De todos os 17.320 trabalhadores, 87% são moçambicanos.

De acordo com dados da própria Vale, o complexo minerário, que inicialmente abrangia uma área de 23.780 hectares, tem a capacidade de produzir 22 milhões de toneladas de carvão por ano desde 2015, quando foi realizado um projeto de expansão da mina. 

Brasil de Fato entrou em contato com a assessoria de imprensa da mineradora Vale. Em nota, a empresa afirmou que irá recorrer da decisão.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 03/02/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Acordo sem participação dos atingidos beneficia mineradora Vale, responsável pelo crime em Brumadinho

Audiência está marcada para amanhã (4), a partir das 9h, no TJMG. Atingidos estarão na porta do Tribunal, em ato simbólico, contra o Acordão nos moldes que está sendo fechado

| Publicado 11/05/2020

Fundação Renova e a violação aos direitos à indenização relacionada com renda e trabalho

É preciso perguntar como a Fundação Renova consegue fazer uma (não) reparação dessa forma. E para responder a essa pergunta é também preciso lembrar que, na verdade, estamos lidando com empresas: Vale, Samarco, BHP Billiton e a própria Renova

| Publicado 02/02/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Com divulgação de desfecho na imprensa, MAB discorda do acordo sobre crime da Vale em Brumadinho

Estratégia de imprensa é utilizada para “apresentar” o acordo global de Brumadinho; Vale será a maior beneficiada e seguirá impune de mais um crime