Manifestações denunciam cinco anos de injustiça do crime no rio Doce

Em diversas cidades de Minas Gerais e no Espírito Santo, atingidos saíram às ruas para pedir justiça após meia década sem reparação; projeções foram realizadas em capitais de outros estados

Para marcar a data de 5 anos de injustiça na bacia do rio Doce, atingidos por barragens de Minas Gerais e do Espírito Santo organizaram protestos que denunciaram a falta de reparação para a população afetada pelo crime com o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana. 

Logo cedo, dezenas de atingidos pelo crime da Vale em Brumadinho prestaram solidariedade com o fechamento de estradas nas cidades de Betim e São Joaquim de Bicas, na bacia do rio Paraopeba. Eles também cobram participação popular no acordo proposto pelo Estado para a mineradora sobre o crime que já vai completar dois anos em janeiro do ano que vem. 

Durante a manhã, também houve uma ação simbólica do Movimento dos Atingidos por Barragens no distrito de Bento Rodrigues, local que ficou debaixo de lama após o crime da Samarco, Vale e BHP Billiton.

Os manifestantes colocaram faixas em alguns pontos com mensagens sobre a necessidade da construção de moradias dignas, e lembraram pedidos para que a esfera judicial não fique alinhada às empresas, mas sim atenda os interesses das pessoas que perderam suas casas, os empregos, e sofrem com desabastecimento de água limpa, problemas de saúde e aumento da violência por conta do maior crime ambiental brasileiro.

Atingidos do bairro Gesteira, em Barra Longa, que viram a realidade da região mudar drasticamente após o crime, cobraram reparação dos danos causados nas vidas das famílias em uma caminhada. A maior parte da população da localidade, assim como em outros pontos da bacia do rio Doce, nem mesmo tiveram o reconhecimento da empresa.

No final da tarde, houve um ato no centro da cidade de Ipatinga e uma apresentação cultural no centro da cidade de Mariana, em Minas Gerais, em memória das vítimas. 

No Espírito Santo, também houve luta. Centenas de manifestantes estiveram na praia, em Regência, para lembrar o crime e pedir por justiça. O litoral capixaba foi extremamente atingido e, até hoje, pescadores, agricultores e toda a população da região sofrem os impactos ambientais e sociais do rompimento da barragem. 

Outros estados também se engajaram na divulgação da data que marca meia década do crime, como foi o caso do Rio de Janeiro, onde houve panfletagem em diversos pontos da região central em uma ação conjunta da Frente Brasil Popular com a POCAE – Plataforma Operária e Camponesa de Água e Energia. 

Projeções

Para aumentar o alcance da denúncia, o MAB desenvolveu parceria com o Coletivo @projetemos para que fossem realizadas projeções no Congresso Nacional, no Distrito Federal, com imagens e mensagens sobre o crime. Outras projeções também foram feitas durante a noite em capitais como São Paulo e Belo Horizonte.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 04/11/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Carta dos atingidos e atingidas para Vale, Samarco, BHP e sociedade brasileira

Temos direito a ter voz e vez nas decisões. Estamos cansados de ter nossos destinos colocados à mercê de empresas, políticos e juízes, poderosos e donos desse sistema, que rouba nossos direitos à luz do dia sem nenhum pudor, e nos afundam cada vez mais nessa lama tóxica de interesses privados

| Publicado 26/01/2021 por Claudia Rocha / Comunicação MAB

Marco dos dois anos do crime da Vale em Brumadinho tem atos simbólicos nas cidades da bacia do Paraopeba

Por conta da pandemia, ações foram realizadas com distanciamento social, em locais abertos e com os participantes de máscara

| Publicado 10/11/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Minas Gerais

Abaixo-assinado pede participação de atingidos em acordo entre Vale e Estado sobre Brumadinho

Acordo está pronto para ser assinado no próximo dia 17 sem que os atingidos possam se pronunciar e participar da construção dos termos de reparação na bacia do Paraopeba