Apagão no Amapá: somos todos atingidos

O MAB denuncia o descaso das autoridades e das empresas de energia em meio ao apagão no Amapá.

O Movimento dos Atingidos  por Barragens (MAB) no estado do Amapá repudia o desrespeito com que as geradoras e distribuidoras de energia tratam a população. O estado está sem fornecimento de energia desde terça-feira, 3 de novembro, devido a um incêndio na subestação de energia em Macapá.

Chamamos à responsabilidade as autoridades dos três poderes de  nosso estado,  que deveriam vigiar e zelar para o bem estar de nossa população.  Nos solidarizamos com a população trabalhadora que luta no dia-a-dia para sobreviver e que agora está sofrendo até com falta de água, pois o abastecimento depende de bombas hidráulicas. Nos solidarizamos também com os trabalhadores do setor elétrico, que sofrem com a precarização e a terceirização.

A situação em Macapá é desoladora. Há enormes filas nos postos de combustível e muitas pessoas não conseguem sequer comprar medicamentos porque as farmácias estão sem sistema de pagamento. Até para comprar açaí são formadas filas nos poucos estabelecimentos que contam com gerador de energia.

Como este apagão demonstra, as empresas só visam o lucro e não priorizam o bem-estar da população. E enquanto isso, os atingidos esperam há anos por justiça.

Aos governantes que governam para e representam os grandes empreendimentos, fazemos aqui uma pergunta. Foi interrompido  o fornecimento gerado aqui no estado do Amapá pelas quatros hidrelétricas que são interligadas ao linhão de Tucuruí e que abastece outros Estados do Brasil? Acreditamos que não, pois se fosse assim, já teriam resolvido o problema. Lembramos que o Amapá é um estado que exporta energia e sua população ainda sofre sem acesso e com a péssima qualidade do serviço.

Aqueles que dizem querer o bem da população visam o lucro acima da vida. Exigimos ação das autoridades e denunciamos o descaso das empresas.

Também não podemos admitir que se faça uso político do apagão para defender a privatização da Eletronorte/Eletrobrás, inclusive porque o incêndio teve início nas instalações de uma empresa terceirizada. Precisamos de um projeto energético com soberania, distribuição da riqueza e controle popular.

Foto: Reprodução/Rede Amazônica

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 05/11/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Injusticia en la cuenca del río Doce: 5 años sin reparación para los afectados; lea la nota del MAB

Somos las víctimas de un crimen bárbaro que está lejos de una solución correcta, pero también somos un pueblo en lucha dispuesto a batallar y colocar la vida por encima del lucro

| Publicado 05/11/2020 por Movement of People Affected by Dams

Injustice in the Doce river basin: 5 years of no reparation to the affected; read MAB’s note

We are the victims of a barbaric crime that is far from a correct solution, but we are also people who struggle and are willing to fight and put life above profit

| Publicado 02/12/2020 por POCAE - Plataforma Operária e Camponesa da Água e Energia

NOTA | Apagão no Amapá é o colapso da privatização

Organizações do campo popular assinam manifesto que denuncia descaso no estado do Amapá e os males da privatização do setor elétrico