MPF aponta “falsa defesa” dos atingidos na reparação do crime da Samarco no ES

Em um processo que o Ministério Público Federal acusa como fraudulento, advogados orientam pequenos grupos de atingidos a colherem abaixo-assinados e registrar comissões de atingidos em cartório para negociar valores de indenização com a Fundação Renova

Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

Além da pandemia (ou por causa dela) o trabalho muito custoso dos atingidos em construir suas comissões de atingidos – abertas e horizontais – quase foi por água abaixo em 2020.

Em um processo que o Ministério Público Federal acusa como fraudulento, advogados orientam pequenos grupos de atingidos a colherem abaixo-assinados e registrar comissões de atingidos em cartório para negociar valores de indenização com a Fundação Renova.

Com o argumento de que se exigiria menos documentos, e seria mais rápido que o processo indenizatório da Renova, este processo provocou uma nova “corrida por procurações” nos territórios, e o surgimento de várias comissões deste tipo.

O que este acordo traz de volta na prática, são vários pontos nos quais a Renova já havia sido derrotada – seja no sistema de governança que ela mesma implementou mas não respeita, seja na própria Justiça.

Por isso o MPF acusa os advogados de “lide simulada” ou seja, uma farsa de defesa, que na verdade atua em favor dos criminosos ao se valer do desespero das vítimas para amenizar as responsabilidades de reparação dos danos causados pela Samarco, pela BHP e pela Vale.

Para não frustar as atingidas e atingidos que depositaram sua esperança neste processo, o MPF pediu a manutenção do acordo, mas a suspensão de pontos polêmicos, como os honorários advocatícios estipulados pelo juiz – só pela decisão de Baixo Guandu, quase meio milhão de reais – fora o percentual das indenizações dos atingidos de quem tem procuração.

Além disso, pede também a suspenção da quitação geral – que proíbe o atingido ou a atingida de entrar na justiça contra a VALE a BHP ou a Samarco, no Brasil ou no exterior – independente de uma futura comprovação de mais danos, ou de insuficiência do valor estipulado. Pede também que o valor estabelecido pelo acordo (menor que o práticado pela Renova) seja aceito como um piso, ou seja um valor de saída, que pode ser melhorado.

Como dizem os mais velhos, “o diabo mora nos detalhes”: todo o processo foi conduzido em segredo de justiça, não tendo a fiscalização do MPF ou a participação dos atingidos que não fazem parte da comissão registrada em cartório na negociação dos valores e cláusulas desse acordo, que a Renova aceitou tão prontamente.

Leia a matéria e a peça completa do Ministério Público Federal.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 10/11/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Espírito Santo

“Renova, nós não estamos quites!”, afirmam atingidos

As empresas não ouvirem as vítimas no processo decisório da reparação é o atestado de incompetência do Estado brasileiro em fazer justiça quando grandes interesses atropelam pequenas comunidades

| Publicado 22/09/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Espírito Santo

Quem ganha com a não contratação das Assessorias Técnicas no Rio Doce?

Passado mais de um ano da homologação da contratação das Assessorias Técnicas, empresas e judiciário cozinham o direito dos atingidos em fogo baixo

| Publicado 04/11/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Injustiça na bacia do Rio Doce: 5 anos de não reparação aos atingidos; leia a nota do MAB

Somos as vítimas de um crime bárbaro que está longe de uma correta solução, mas somos também um povo em luta disposto a lutar e colocar a vida acima do lucro