Líder do MST no Paraná é encontrado morto com sinais de execução

Ênio Pasqualin havia sido retirado de sua casa por sequestradores na noite de sábado

Reprodução

O corpo do líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do Paraná, Ênio Pasqualin, foi encontrado na manhã deste domingo (25), nas proximidades do Assentamento Ireno Alves dos Santos, no município de Rio Bonito do Iguaçu, com sinais de execução. Pasqualin foi retirado de sua casa por sequestradores na noite do dia anterior, segundo o próprio MST. 

Em nota, o movimento cobrou a investigação da execução e a prisão dos envolvidos, além de lamentar a morte de Pasqualin. “Tiraram a vida de um pai, de um marido, deixando suas duas filhas, o filho e a esposa com uma dor inexplicável.”

O Brasil de Fato entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública do Paraná para ter mais informações sobre o crime e as investigações, mas até a publicação desta notícia não houve resposta.

O coordenador nacional do MST, João Paulo Rodrigues, se posicionou nas redes sociais: 

Também nas redes sociais, a ex-presidenta Dilma Rousseff afirma que Pasqualin foi assassinado “justamente por lutar pelo direito do povo à dignidade de arrancar da terra seu sustento e construir um país melhor”. A petista também cobrou respostas do governo paranaense: “As autoridades têm o dever de esclarecer a morte deste bravo guerreiro e de punir os assassinos. Minha solidariedade à família.”

A deputada federal e presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, também se posicionou sobre o caso. Nas redes sociais, a parlamentar afirmou que há tempos “a violência no campo é realidade no Paraná”.

Com a eleição de Bolsonaro e Ratinho Jr as coisas só pioraram. As ameaças de despejo são frequentes na Justiça e contra a vida de militantes, por parte de fazendeiros. O governo do PR tem obrigação de manifestar sobre o crime, apurá-lo e garantir segurança aos militantes da Reforma Agrária”, defende Hoffman.

Nas redes sociais, o líder do PT na Câmara dos Deputados, Enio Verri, caracterizou o assassinato de Pasqualin como uma “marca dos latifundiários”. “O acintoso destemor do latifúndio é em razão da garantia, se não do estímulo, dos mandatários do Brasil e do Paraná.”

Ênio Pasqualin iniciou sua militância no movimento em 1996, já em Rio Bonito do Iguaçu, onde fez parte de uma das maiores ocupações dos sem terra: cerca de três mil famílias ocuparam o latifúndio da Giacomet Marodin, atual madeireira Araupel, no dia 17 de abril daquele ano.

Reforma Agrária

“Ênio Pasqualin sempre foi um camponês aguerrido na luta”, ressalta a nota do MST. Em Rio Bonito do Iguaçu, Pasqualin fincou raízes junto com sua família e “continuou ajudando a construir a luta por Reforma Agrária”, ressalta o movimento. 

“Seja no âmbito da produção e na organização dos assentados quando foi Presidente da Central de Associações Comunitárias do Assentamento Ireno Alves dos Santos (Cacia) ou quando ajudou os filhos e filhas dos assentados e assentadas a se organizarem para continuar a luta pela terra na extensa área da Araupel”, afirma o MST.

Confira a nota de pesar do MAB:

Nota de Solidariedade do MAB aos Familiares de Ênio Pasqualin e ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)

No último domingo, dia 25, o companheiro Ênio Pasqualin foi encontrado assassinado em Rio Bonito do Iguaçu – PR. O Movimento dos Atingidos por Barragens se solidariza com os familiares de Ênio Pasqualin e ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Companheiro, bravo e incansável lutador pela Reforma Agrária, forjado na luta pelo direito a terra, nos deixa o exemplo de compromisso com as causas do povo!

A família e ao MST, os mais profundos sentimentos, desejamos força. Que os fatos sejam esclarecidos e que a justiça seja feita aos responsáveis.

Ênio Pasqualin, presente, hoje e sempre!

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 27/10/2020 por Guilherme Weimann do Sindipetro Unificado SP, Marcelo Aguilar / Comunicação MAB

“Estamos fazendo da memória um exercício político de futuro”, afirma militante chileno

Em entrevista exclusiva, Víctor Bahamonde descreve os sentimentos opostos que surgem logo após a vitória esmagadora das forças progressistas sobre a Constituição da ditadura militar; se por um lado o país respira esperança por um novo processo democrático, por outro pressente as reações que devem surgir por parte dos setores beneficiados historicamente por este sistema político

| Publicado 12/03/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Nota de pesar pelo falecimento de Celso Nunes

Vítima da Covid-19 no noite de hoje, Celso deixa um legado de luta; Movimento se solidariza com os familiares e amigos

| Publicado 16/10/2020 por Raul Deparis / Coletivo de Comunicação MAB

Ação de solidariedade marca Dia Mundial em defesa da Alimentação no Paraná

Comunidade escolar em Francisco Beltrão foi beneficiada com a doação de alimentos e produtos de limpeza