É urgente deter o genocídio indígena

Movimento cobra que STF mantenha as obrigações do governo federal em auxiliar e proteger povos indígenas da pandemia

Foto: Adriano Machado/Reuters

O Supremo Tribunal Federal (STF) começou na tarde de ontem (03) o julgamento da ação que obriga o governo federal a adotar uma série de medidas para preservar a vida e a saúde dos povos indígenas na pandemia de covid-19. Com a sessão suspensa, a decisão deve ocorrer na próxima quarta-feira (05).

A Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 709 foi ajuizada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e por seis partidos políticos (PSB, PSOL, PCdoB, Rede, PT e PDT). O ministro Luís Roberto Barroso já concedeu liminar favorável.

A ação prevê a elaboração de plano de emergência para enfrentamento e monitoramento da Covid-19. Este plano deve ser elaborado com participação dos povos indígenas e acompanhamento do Conselho Nacional de Direitos Humanos. Além disso, está prevista a criação de uma barreira sanitária para os indígenas isolados e de contato recente e garantia de acesso ao sistema de saúde. A ação originalmente previa também a retirada de invasores de terras indígenas, mas esse artigo foi vetado na decisão de Barroso.

Para o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), é urgente que o STF decida pela manutenção da liminar como forma de evitar um verdadeiro genocídio. Também é essencial que o plano seja efetivamente implementado com participação das organizações indígenas e defensoras de direitos humanos, como prevê a ação.

Denunciamos a atual política do governo federal para os povos indígenas. Desde o início do governo Jair Bolsonaro, a demarcação de terras indígenas está suspensa. O governo também tentou extinguir a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), mas foi impedido pela pressão popular. Se tivesse conseguido, as proporções da pandemia seriam ainda mais catastróficas entre estes povos. Denunciamos ainda a destruição da Amazônia e o incentivo, velado ou explícito, à invasão e grilagem em terras indígenas.

Manifestamos nossa solidariedade a todos os povos indígenas que tem enfrentado as maiores brutalidades, como as mães Yanomami que sequer tiveram o direito de enterrar seus bebês mortos pela Covid-19 em Boa Vista (RR). Lembramos também a memória de lideranças como Paulinho Paiakan, Nelson Mutzie Rikbaktsa, Vicente Saw Munduruku e Gumercindo Karitiana, entre tantos outros guardiões do conhecimento que encantaram precocemente em virtude do coronavírus.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 05/08/2020 por Elisa Estronioli / Coletivo de Comunicação MAB

STF mantém medidas para proteger povos indígenas na pandemia

O Supremo Tribunal Federal (STF) referendou a decisão que obriga o governo federal a adotar medidas para preservar a vida e a saúde dos povos indígenas durante a pandemia de Covid-19

| Publicado 14/06/2020

Pandemia e queimadas: uma combinação perigosa na Amazônia

Com índices de desmatamento elevados, região, que já sofre com aumento de internações por problemas respiratórios durante o período de queima, agora teme por ocupações dos leitos com avanço dos casos de Covid-19

| Publicado 08/06/2020

Atingidos do Pará distribuem cestas básicas para mil famílias

A ação de solidariedade teve como objetivo auxiliar famílias em situação de vulnerabilidade socioeconômica devido à pandemia de covid-19 na região amazônica.