NOTA: Nos moldes do RS, a danosa privatização do setor elétrico pode ser expandida para todo o país

Foto: Marcos Santos / USP Imagens O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) no Rio Grande do Sul já denunciou a entrega de 13 usinas hidrelétricas da Companhia Estadual de […]

Foto: Marcos Santos / USP Imagens

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) no Rio Grande do Sul já denunciou a entrega de 13 usinas hidrelétricas da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) à iniciativa privada, que terá como consequência um grande aumento nas contas de luz, perda da soberania e mais desemprego.

Agora, o nosso alerta se estende para todo o Brasil, pois está em curso um movimento de privatização em massa das empresas estatais de energia, seguindo os moldes da experiência no Rio Grande do Sul.

Em plena pandemia, enquanto a população sofre com o avanço da Covid-19, com o desemprego em massa e perda de renda e salário, o governador gaúcho, Eduardo Leite (PSDB), e a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) preparam a desestatização dos braços de distribuição, geração e transmissão da CEEE, um importante patrimônio público.

No estado gaúcho, foi estabelecido um acordo do governo estadual com ao governo federal de Jair Bolsonaro (sem partido), e com a ANEEL e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), sendo o BNDES o responsável por estruturar o processo de desestatização da CEEE e coordenar o processo de privatização da companhia.

Atualmente, a entrega do patrimônio está na fase de Consulta Pública (Nº 039/2020), lançada no último dia 18 de junho pela ANEEL para a privatização das hidrelétricas do braço de geração e transmissão (GT) da estatal.

De forma geral, a energia produzida pelas empresas estatais é vendida por um preço quatro vezes menor em relação ao preço cobrado pela iniciativa privada, o chamado “preço de mercado”. Mesmo vendendo a energia a preço baixo, a CEEE-GT teve uma margem de lucro de 23% no último ano.

De acordo com estudo elaborado pelo MAB publicado nesta semana, a privatização das 13 usinas causará um impacto de R$ 680 milhões por ano, valor este que será transferido integralmente para as contas de luz por meio de reajustes tarifários que a população será obrigada a pagar durante o período de vigência da concessão.

Ou seja, ao final de 30 anos, o povo gaúcho pagará mais de 20 bilhões de reais a mais em suas contas de luz. É isso que está escondido por trás da entrega deste importante patrimônio do povo gaúcho e que irá ocorrer com diversas outras estatais, como a Eletrobrás, Celesc, Copel, Ceb, Cemig, Eletronorte, Furnas, Chesf, dentre outras.

Ao privatizar, não haverá novos investimentos e nem contratação de trabalhadores. Muito pelo contrário, apenas será transferido um patrimônio do povo para as transnacionais obterem lucros extraordinários. Além disso, a história nos mostra que outro reflexo das privatizações é a demissão em massa de trabalhadores, que ficarão desamparados em meio a um contexto de crise, intensificada pela pandemia do vírus Covid-19.

Nós, do Movimento dos Atingidos por Barragens, somos contra a privatização do setor elétrico e denunciamos esta tentativa de saque do nosso patrimônio nacional por meio dos governos estaduais e federal.

A privatização vai na contramão do enfrentamento à crise sanitária, da recuperação da economia e do cuidado com a vida de nosso povo, colocando os interesses de poucos acima da vida de muitos. 

O acesso à energia elétrica é um direito básico do povo e não deve ser tratado como uma mercadoria. É preciso colocar a vida acima do lucro, e não o lucro e a pilhagem acima da vida. É necessário unir toda nossa força para derrotar por completo a privatização e essa política que tenta se aproveitar da pandemia para lucrar em cima do povo.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 28/06/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Rio Grande do Sul

NOTA: MAB denuncia Consulta Pública para privatização de 13 hidrelétricas no RS

Em plena pandemia, enquanto a população sofre os efeitos do avanço da covid-19, como o desemprego em massa e o achatamento da renda, o governador Eduardo Leite (PSDB) e a Agencia Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) preparam a privatização de um importante patrimônio do povo gaúcho.

| Publicado 09/07/2020 por Caroline Oliveira / Brasil de Fato

Energia elétrica mais cara em São Paulo impacta vida de 18 milhões de pessoas

Apesar de a mudança ser legal, especialistas defendem que pandemia deveria ter sido levada em consideração

| Publicado 11/07/2020 por Raul Deparis / Coletivo de Comunicação MAB

“Foi muito difícil”, relata atingida do Paraná sobre falta de energia após fortes chuvas

Falta de energia elétrica foi apontada como principal problema por consequência do temporal do início do mês, agricultores perderam produção devido à demora para religamento