Famílias da região do rio Pardo temem mineroduto da SAM

Mineroduto será o segundo maior do Brasil e ameaça 21 municípios entre MG e BA

Foto: Agora Rio Pardo

O projeto Bloco 8 da mineradora SAM – Sul Americana de Metais S/A, será instalado no distrito Vale das Cancelas, em Grão Mogol/MG, e será o maior complexo minerário do Brasil. Para o escoamento de todo esse minério, será construído um mineroduto que terá 482 km de extensão, o segundo maior do Brasil, atrás apenas do mineroduto Minas-Rio da Anglo American, com 529 km. 

O projeto do mineroduto passa por 21 municípios, sendo nove deles em Minas Gerais – Grão Mogol, Padre Carvalho, Fruta de Leite, Novo Horizonte, Salinas, Taiobeiras, Curral de Dentro, Berizal e Águas Vermelhas – e doze na Bahia – Encruzilhada, Cândido Sales, Vitória da Conquista, Ribeirão do Largo, Itambé, Itapetinga, Itaju do Colônia, Itapé, Ibicaraí, Itabuna, Barro Preto e Ilhéus – até o Porto Sul.

Atualmente a construção está sob responsabilidade da empresa Lótus Brasil Comércio e Logística Ltda, que se apresenta como uma empresa independente, mas que tem entre seus principais sócios a SAM.

Mapa do traçado com base nas coordenadas do projeto Vale do rio Pardo, a Lotus não apresentou seu novo projeto. Por Felipe Soares, MAB.  

Entre os 21 municípios que será afetado pelo mineroduto, está a comunidade rural Rio das Antas, no município de Salinas. De acordo com os moradores da comunidade, a passagem da tubulação na região traz receio para a população.  

Gentil Durães é morador da comunidade e coordenador do grupo dos atingidos, e conta que “a tubulação será construída dentro de algumas propriedades dos moradores, onde a maioria retiram o sustendo com agricultura familiar e pequenas produções comercializadas nas feiras locais”. A maioria das propriedades tem uma pequena área de extensão. 

Segundo o Estudo de Impacto Ambiental – EIA do projeto Vale do Rio Pardo,  a faixa do mineroduto tem 30 metros de comprimento. De acordo com o mesmo estudo, a maioria das propriedades não tem essa extensão, acarretando na perda de terras da maioria dos proprietários. Gentil afirma que “a comunidade é contra a construção do mineroduto. A empresa responsável por ele não mantém nenhum diálogo com os moradores e não garante a participação popular no projeto. Ela fez algumas visitas à região mas sem contato com a população” denunciou. 

Gentil Durães

Mineroduto

Inicialmente, quando ainda era o Projeto Vale do Rio Pardo, o mineroduto era vinculado ao complexo minerário, mas foi arquivado pelo IBAMA que o considerou ambientalmente inviável. Em 2017 o projeto foi reformulado e o mineroduto desvinculado, seguindo para o projeto Bloco 8. No atual traçado ele passará pelo principal rio da região, rio Pardo, em três pontos. 

De acordo com o EIA, o possível rompimento de uma das tubulações alteraria toda a bacia hidrográfica do rio, dentre outros impactos como a alteração das propriedades físicas do solo; indução e intensificação de processos erosivos e movimentos de massa; assoreamento dos cursos d’água; alteração da dinâmica hídrica superficial; alteração das propriedades químicas do solo; alteração na qualidade das águas superficiais; alteração na qualidade das águas subterrâneas; alteração dos níveis de ruído; alteração da qualidade do ar; alteração dos usos do solo; e a alteração da paisagem. 

O Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB luta desde o começo da sua história contra empreendimentos hidrográficos, mineráreis ou energéticos que interfiram diretamente nos modos de vida da população em seu território. A projeto do mineroduto da SAM é na verdade um projeto de despejo, perda de renda, morte do rio e danos ambientais. 

Afirmamos também que se desde a construção do projeto no papel o povo não tem participação efetiva, durante a construção nós só podemos esperar a violação dos seus direitos. A população sob a ameaça da construção desse projeto já é uma população atingida. 

Seguiremos em luta pela não violação dos direitos. 

Mineração aqui não! Em defesa das águas e dos povos do semiárido!
A mineração tira os nossos direitos!


Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 05/06/2020

Coração da Divisa: documentário aborda conflito entre comunidade tradicional e mineradora

Exploração minerária colocará em risco território remanescente da mata atlântica em Minas Gerais

| Publicado 26/06/2020

Agricultores e piscicultores procuram outros trabalhos para garantir renda afetada pelo crime da Vale

Na bacia do rio Paraopeba, pequenos agricultores se viram como pode para sobreviver em meio as consequências do rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão

| Publicado 22/06/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

Atingidas na Amazônia denunciam ameaças para relatora da ONU

Mary Lawlor, relatora da Organização das Nações Unidas, ouviu defensoras dos direitos humanos militantes do MAB que estão ameaçadas por grandes empreendimentos na Amazônia