Mineradora recebe autorização do prefeito de Indaiabira, em MG, para atuar em terras devolutas

Em março, na comunidade de Lagoa da Pedra, a mineradora Santa Inês LTDA iniciou trabalhos de extração de minério em terras destinadas a proteção ambiental da região do rio Pardo

A Santa Inês LTDA se instalou em terras devolutas que pertecem ao estado – e que, de acordo com o  art. 225, §5º da lei 6383/76, são necessárias à proteção dos ecossistemas naturais – concedidas pela assinatura do prefeito de Indaiabira, Zé de Maurina (PP), na declaração de posse ao dono da empresa, Edmo José Ferreira. Essa declaração proporcionou ao empresário a concessão da licença ambiental para fins de extração de minério na comunidade de Lagoa da Pedra. 

De acordo com os documentos da própria empresa, as licenças ambientais apresentam uma licença simplificada, ou seja, de pequeno porte. Porém, o mesmo documento afirma que a licença tem duração de 20 anos, com objetivo de retirar 16.000t/ano de granito, tempo suficiente para causar, de acordo com Aurindo, inúmeros danos ao ambiente.

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Indaiabira e morador da comunidade Lagoa da Pedra, Aurindo José Ribeiro pressionou “para que assinatura não acontecesse”, e relata que “os moradores da comunidade são contra esse ‘empreendimento’ por saber do histórico de degradação que uma mineradora causa ao ambiente”, afirmou. 

Para ele, a preocupação dos moradores são os rejeitos e entulhos que serão produzidos com a retirada do granito, amontoado em barreiras. O medo chega também na probabilidade dessas barreiras contaminarem o rio Pardo, causando assoreamento e contaminação na bacia, já que a mineradora foi instalada entre duas nascentes d’água.

Indignados, moradores convocaram uma reunião com Edmo José Ferreira, dono da mineradora Santa Inês, e com parceiros como o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e Movimento Geraizeiro, para discutir o funcionamento da mineradora e ter mais conhecimento sobre o assunto. A reunião não foi realizada e a empresa começou os trabalhos antes de uma nova proposta de encontro.

O MAB está em luta para que os direitos do povo sejam garantidos, construindo com as comunidades a luta por desenvolvimento com participação popular. É fundamental ter clareza do interesse da mineração no local. Essa contradição de interesses nos revela que mais uma vez que resolver os problemas do povo não está na pauta política. A luta segue, e resistir faz com tenhamos mais conquistas.

Mineração aqui não! Em defesa das águas e dos povos do semiárido! 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 20/08/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Vale recusa nova reunião com atingidos de Antônio Pereira, em Ouro Preto (MG)

Atingidos pela barragem Doutor denunciam que a mineradora toma decisões sem consultar a comunidade e não informa e nem responde questionamentos da população

| Publicado 22/08/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Atingidos de Barra Longa organizam entregas de cestas básicas em Minas Gerais

As entregas foram feitas nessa sexta-feira (21) pelos atingidos do município, com 16 cestas básicas e 50 máscaras doadas

| Publicado 27/07/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Organização popular em defesa das águas em Congonhas/MG

Comunidade se organiza contra ameaça das mineradoras aos mananciais