Nota do MAB pede medidas da Fundação Renova frente ao Coronavírus

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), em parceria com outras organizações da sociedade civil, está reunindo esforços para contribuir com as autoridades do Sistema Único de Saúde (SUS). Levando […]

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), em parceria com outras organizações da sociedade civil, está reunindo esforços para contribuir com as autoridades do Sistema Único de Saúde (SUS). Levando informação segura e evitando criar oportunidades para a disseminação do Coronavírus, informamos o cancelamento de atividades previstas para este mês em Minas Gerais, como as atividades da Jornada de Lutas Contra as Barragens: pelos rios, pela água, pela vida!

Por meio desta nota, manifestamos nossa preocupação com a ausência de medidas da Vale, Samarco, BHP Billiton e Fundação Renova, que mobilizam centenas de funcionários diretos e terceirizados em atendimentos de escritórios e em constante deslocamento pelos territórios atingidos, incluindo o trânsito em aeroportos e rodoviárias.

Aguardamos a posição das empresas, com orientações claras e medidas urgentes que protejam os atingidos e atingidas, os funcionários e suas famílias, e que contribuam com o SUS neste esforço coletivo para superamos a pandemia, sobretudo nas regiões já castigadas pelos danos na saúde pública decorrente dos crimes de rompimentos de barragens. 

Também solicitamos que as instituições de Justiça e os órgãos da Governança no rio Doce, como a Câmara Técnica de Saúde e o Comitê Interfederativo (CIF), atentem a situação e cobrem medidas como as já adotadas pela Vale em Brumadinho.

Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB),

15 de março de 2020.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 14/03/2020

“O preço da luz é um roubo”: aumentos na conta de energia prejudicam população rural

Os trabalhadores rurais estão sofrendo, desde o ano passado, um duro ataque. Trata-se da política de retirada dos subsídios nas contas de energia elétrica no setor rural. Em um contexto de economia estagnada e intensificação da crise econômica global e nacional, é o povo que sempre acaba sofrendo com as consequências, nesse caso, pagando muito mais caro pela eletricidade

| Publicado 16/03/2020

Artigo: ser mulher atingida é obrigatoriedade de reinventar-se cotidianamente

Como dizer o que não encontra palavras? Nos carece no mais alto dicionário uma descrição precisa das imagens de 5 de novembro de 2015. E para os que tiveram olhos atentos, ver a história se repetir em tragédia no dia 25 de janeiro de 2019. Os rompimentos são a interrupção de dezenas de vidas que viraram centenas e serão milhares.