Com pressão dos atingidos, Samarco (Vale/BHP) agiliza mudanças de hotéis para casas

Devido à pressão dos atingidos pela barragem de rejeitos da Samarco (Vale/BHP Billiton), a mineradora se comprometeu a agilizar a mudança das famílias desabrigadas dos hotéis para casas alugadas pela […]

Devido à pressão dos atingidos pela barragem de rejeitos da Samarco (Vale/BHP Billiton), a mineradora se comprometeu a agilizar a mudança das famílias desabrigadas dos hotéis para casas alugadas pela empresa na cidade de Mariana (MG).  A mudança no ritmo das transferências foi anunciada durante reunião da comissão dos moradores das comunidades atingidas, na tarde de ontem (1º de dezembro).

A agilidade na mudança era um dos principais pontos da pauta emergencial dos atingidos, construída junto ao Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). O ritmo anterior de mudanças, apresentado pela empresa na semana passada, era de 25 famílias por semana, o que significava que as últimas famílias permaneceriam vivendo em hotéis até o carnaval (cerca de 300 famílias no total). Com a exigência dos atingidos, a empresa se comprometeu a acelerar o ritmo para 50 mudanças por semana.

Reunião da comissão dos atingidos com representantes da Samarco

Para o MAB, para a Arquidiocese de Mariana e para o Ministério Público, a aceleração é positiva, embora ainda insuficiente. “Nossa reivindicação é que nenhuma família passe o Natal vivendo em hotel e acreditamos que a Samarco tem condições de fazer isso”, afirmou Joceli Andrioli, do MAB.

As famílias atingidas chegaram a organizar um abaixo-assinado na semana passada para exigir que todas as famílias fossem transferidas para casas alugadas até, no máximo, dia 20 de dezembro. O abaixo-assinado somou mais de 200 assinaturas e foi entregue ontem ao Promotor de Justiça da Comarca de Mariana, Guilherme Meneghin.

Moradores da comunidade de Pedras mostram abaixo-assinado exigindo medidas emergenciais

“Acho que não tem nenhuma família aqui no hotel que está gostando de ficar aqui. Todo mundo queria estar em sua própria casa, né? Agora está todo mundo espalhado aí em hotel”, diz Célis Felício, moradora de Bento Rodrigues, alojada no hotel Providência.

“Aqui no hotel a gente tem assistência, mas eu estaria melhor se estivesse em casa, porque eu sempre fiz tudo mesmo estando assim”, conta Elisângela Aparecida Messias, que também morava no distrito de Bento Rodrigues. Grávida e com previsão de ter filho agora no começo de dezembro, ela questiona se as prioridades para as mudanças estão sendo atendidas pela Samarco. “Eles disseram que tinha prioridade para grávida, idoso, quem tem criança, mas aconteceu que as primeiras pessoas que saíram daqui [do hotel] era só o casal”, diz.

Moradores de Bento Rodrigues colhem assinaturas para o abaixo-assinado

Também no abaixo-assinado, os atingidos cobraram a entrega do cartão com o valor da verba de manutenção, já que até o momento os atingidos estão vivendo a base de doações. A empresa também se comprometeu a agilizar esse processo para esta semana. A demanda de um bônus para que as famílias possam resolver questões emergenciais (outro ponto da pauta emergencial presente no abaixo-assinado) ainda está sendo discutida.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho