Paraenses protestam contra aumento na conta de luz

Nesta terça-feira (5 de agosto), os paraenses foram para a rua dizer um basta aos abusos da Celpa (distribuidora de energia do Pará). A empresa pediu à Aneel autorização para […]

Nesta terça-feira (5 de agosto), os paraenses foram para a rua dizer um basta aos abusos da Celpa (distribuidora de energia do Pará). A empresa pediu à Aneel autorização para aumentar a tarifa de luz em 37,07%, mesmo sendo considerada uma das piores distribuidoras de energia do país. O reajuste, se autorizado, será anunciado no próximo dia 7 de agosto.

Os atos públicos acontecem nas cidades de Belém, Altamira, Marabá e Itaituba em frente às sedes da distribuidora. As atividades foram organizados por movimentos sociais como o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), o Levante Popular da Juventude e sindicatos como o dos eletricitários e dos professores, entre outras organizações populares a partir das 9h.

 

Ato em frente à sede da Celpa em Altamira, região atingida pela hidrelétrica de Belo Monte

“Vamos dizer um basta a esses abusos. Já pagamos umas das contas mais caras de energia do país e temos o pior serviço, mesmo sendo um estado com grandes projetos de geração de energia, como Tucuruí, Belo Monte (em construção) e o Complexo Tapajós (em planejamento)”, afirma Cleidiane Santos, militante do MAB.

“Aqui em Altamira, já vivemos o caos do aumento da população com Belo Monte. É difícil uma semana em que não falta energia algum momento do dia. Além disso, as contas vem absurdas, principalmente para a população mais pobre”, afirma Francisca, duplamente atingida pelo modelo elétrico brasileiro: pelo lago de Belo Monte e pelo alto preço das tarifas da Celpa.

A Celpa foi privatizada há 13 anos pelo então governador Almir Gabriel (PSDB). Com a privatização, a qualidade do serviço piorou e o trabalho dos trabalhadores foi precarizado. Ocorreram demissões em massa e a prática da terceirização passou a ser corriqueira. Em 2012, após a falência do Grupo Rede, antigo controlador da distribuidora, a empresa passou a ser controlada pelo grupo Equatorial Energia.

Das 1.457 reclamações registradas pelo Procon no Pará no primeiro semestre de 2014, quase metade (717) foram contra a Rede Celpa. As principais reclamações são quanto a cobranças abusivas.

Das 63 empresas que distribuem energia no Brasil, a Celpa está em último lugar em qualidade. Cada brasileiro ficou durante o ano de 2012 em média 20 horas sem energia. Os paraenses ficaram mais de 100 horas. As perdas de energia da Celpa chegam a 35%, sendo 1/3 assumido pela empresa e 2/3 pelos consumidores. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 06/08/2014

Plebiscito à vista!