Manifestantes trancam saída de ônibus e rodovia em Erechim, RS

  Na madrugada desta quinta-feira (11), cerca de 150 pessoas ocuparam a frente da empresa Gaurama, única concessionária responsável pelo transporte coletivo na cidade de Erechim há mais de 60 […]

 

Na madrugada desta quinta-feira (11), cerca de 150 pessoas ocuparam a frente da empresa Gaurama, única concessionária responsável pelo transporte coletivo na cidade de Erechim há mais de 60 anos, no Rio Grande do Sul, impedindo a saída de ônibus.

O protesto é organizado pelo Bloco de Lutas Populares, articulação que reúne estudantes da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Seção Sindical dos Docentes da UFFS (SINDUFFS), Associação dos Docentes da UFFS (ADUFFS), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Sindicato dos Comerciários, Sindicato da Alimentação, Sindicato dos Metalúrgicos, Kizomba, Marcha Mundial das Mulheres, Levante Popular da Juventude, A.D.R., Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Contraste Movimento LGBT.

Os manifestantes, que continuarão com a ocupação durante todo o dia, reivindicam transporte 100% público e de qualidade, com passe livre para os estudantes e trabalhadores de baixa renda.

 

Via Campesina, Fetraf e movimentos urbanos trancam BR 153


Movimentos da Via Campesina, Fetraf e movimentos urbanos também trancaram nesta manhã a BR 153, nos dois trechos que dão acesso à Erechim. Os cerca de 800 militantes reivindicam a imediata liberação do Programa de Promoção, Valorização e Sustentabilidade da Agricultura Camponesa, além de se somarem à pauta pela redução da jornada de trabalho para 40 horas.

À tarde, os dois protestos pretendem se juntar com os trabalhadores organizados nas centrais sindicais em uma marcha unitária pelo centro de Erechim. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho