Atingidos por Panambi e Garabi trancam porto internacional

Na manhã desta quinta-feira (11), cerca de 500 pessoas ameaçadas pelas barragens de Panambi e Garabi, projetadas para o rio Uruguai, na divisa do Brasil com a Argentina, marcharam pela […]

Na manhã desta quinta-feira (11), cerca de 500 pessoas ameaçadas pelas barragens de Panambi e Garabi, projetadas para o rio Uruguai, na divisa do Brasil com a Argentina, marcharam pela cidade de Porto Mauá (RS) e trancaram o porto internacional por uma hora.

A manifestação na cidade contou com a presença de centenas de ameaçados pelas barragens, com estudantes do ensino médio e com a população da cidade, que é totalmente contra a barragem. Os atingidos trancaram o porto com tratores e os manifestantes, em sinal de protesto, impediram a passagem de veículos e pessoas pela balsa que liga os dois países.

De tarde os manifestantes foram para a cidade de Santa Rosa (RS) participar do ato unificado dos sindicatos da região e dos movimentos sociais. Estiveram presentes integrantes da CUT, da Contag, do MST, professores, metalúrgicos e professores, entre outras categorias.

Cerca de 700 pessoas participaram deste ato no noroeste do Rio Grande do Sul, cujas pautas foram a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, maior investimento do estado em educação e saúde, mais investimentos na agricultura e melhoria no piso salarial dos professores. Uma das grandes bandeiras levantadas na mobilização também foi a luta contra as barragens de Panambi e Garabi.

Toda essa região será atingida se as barragens forem construídas. Segundo as lideranças locais, este é um dos motivos da boa receptividade das ações pela população de Santa Rosa, que está se dando conta da importância de estarem mobilizados.

 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho