Movimentos sociais protestam contra violência no campo, na Paraíba

Militantes do MAB e da Via Campesina protestaram ontem (20/03) na Paraíba e fecharam a BR 104 que liga Campina Grande à cidade de Queimadas. Os manifestantes protestam contra a violência […]

Militantes do MAB e da Via Campesina protestaram ontem (20/03) na Paraíba e fecharam a BR 104 que liga Campina Grande à cidade de Queimadas. Os manifestantes protestam contra a violência no campo e exigem uma audiência com a Secretaria de Segurança Pública do estado. O protesto foi organizado pelo Fórum em Defesa da Agricultura Familiar e da Reforma Agrária.

Segundo Osvaldo Bernardo, militante do MAB, “no estado da Paraíba a violência há muito tempo deixou de ser um assunto apenas de centros urbanos.Todos os dias são notificados inúmeros casos de violência no meio rural, o que vem preocupando as organizações representativas dos agricultores e agriculturas, bem como os movimentos sociais e sociedade como todo”.

Roubos de motocicletas, de animais, implementos agrícolas, arrombamentos de casas, assaltos à mão armada, inclusive com assassinatos de agricultores, se transformaram em episódios corriqueiros no mundo rural, denunciam os movimentos sociais. “A violência é ainda maior quando na família há membros aposentados, que são alvos preferenciais”, dizem.

Tais fatos vêm disseminando um clima de medo e terror agravando o quadro de migração de agricultores para a cidade. No território da Borborema, em municípios como Arara ou Remigio, comunidades inteiras ficam desertas no período da noite. “O medo vem comprometendo as formas tradicionais de cultivar a terra, até que inviabilizam por completo a produção agrícola”, denuncia Osvaldo.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho