Moradores das margens da Transamazônica resistem a despejo por obra do DNIT

Cerca de 200 famílias estão ameaçadas de expulsão no perímetro urbano de Altamira (PA)

Um grupo de moradores da ocupação urbana às margens da Rodovia Transamazônica fez uma manifestação em frente ao Ministério Público Federal (MPF) em Altamira (PA) na manhã de hoje (17/01). As famílias estão organizadas junto ao Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) para lutar por moradia frente à ameaça de despejo feita pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), responsável pela manutenção da rodovia.

O ato tem o intuito de solicitar que o Ministério Público Federal (MPF) e a Defensoria Pública da União (DPU) acompanhem a situação das famílias. Os manifestantes pedem que os órgãos convoquem o DNIT para discutir sobre o projeto em audiência pública. Após protocolar um ofício solicitando reunião no MPF, os moradores seguiram para a DPU, onde foram atendidos.

Oficialmente, o projeto de manutenção do trecho urbano da Transamazônica (BR 230) não prevê a realocação dos moradores. Com isso, dezenas de famílias estão sendo notificadas para desocuparem as suas casas sem nenhum tipo de indenização. Moradores relatam ainda ameaças de servidores do DNIT, que estariam agindo sem mandato judicial, e até mesmo tentativas de corte no fornecimento de energia. Eles teriam sido informados por funcionários do DNIT que tem “30 dias” para deixar o local.

Menino observa funcionário do DNIT e agente da PRF falando com moradora de casa às margens da Transamazônica. Foto: Divulgação/Arquivo MAB

O MAB calcula que cerca de 200 famílias estão sob risco de despejo. Parte delas são moradoras de casa de palafitas, em área alagadiça, e outras construíram casas de alvenaria, todas às margens da Transamazônica, no trecho em que a rodovia corta a cidade de Altamira, de cerca de 15 km de extensão.

A partir da manifestação feita pelos moradores, o MPF agendou uma reunião com a coordenação da comunidade para discutir a situação. A DPU informou aos moradores que eles não podem ser despejados sem mandato judicial e se dispôs a acompanhar o caso.

O projeto de manutenção da rodovia foi elaborado no governo anterior, de Jair Bolsonaro, mas só agora está sendo iniciado. Segundo o termo de referência do projeto, as obras custarão cerca de R$ 25,7 milhões e deverão ser executadas durante 3 anos.

Moradores da ocupação das margens da BR 230 fazem manifestação em frente ao MPF em Altamira (PA). Foto: Aline Pereira Vitoriano

As famílias desejam ter o direito à indenização pelas benfeitorias construídas e também cobram a retomada do Programa Minha Casa Minha Vida em Altamira. O último projeto construído dentro desse programa na região, o residencial Arapujá, foi abandonado após o golpe contra Dilma Rousseff em 2016.

No ano passado, as famílias da área de baixada da Transamazônica bloquearam a via por 4 meses como maneira de pressionar os órgãos públicos pelo asfaltamento. O asfaltamento desse trecho, de 300 metros, acabou sendo feito pelo governo estadual, após cobrança do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Conteúdos relacionados
| Publicado 24/01/2023 por Coletivo de Comunicação MAB PA

Conquista: DNIT suspende notificações de desapropriação em Altamira (PA)

Moradores das margens da rodovia Transamazônica resistem a desapropriações por obras de manutenção

| Publicado 11/01/2023 por Jackson Dias / Coordenação MAB Pará

Belo Monte pretende construir mais de 3 km de muros no rio Xingu

O projeto é construir sete muros dentro do Xingu, em região já profundamente impactada pela barragem

| Publicado 08/10/2022 por Coletivo de Comunicação MAB PA

Após sete anos de luta, atingidos por Belo Monte conquistam direito a indenização

370 famílias da área da Lagoa do Independente 1, em Altamira (PA), deverão ser indenizadas; casas serão demolidas