MAB realiza ato político em defesa dos atingidos em Belém (PA)

Ato mobilizou cerca de 250 atingidos de regiões do rio Tocantins; pauta foi recebida pela ALEPA e MPPA

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) realizou um ato político nesta última terça-feira (15) em frente à Assembleia Legislativa do Estado do Pará (ALEPA). A ação contou com cerca de 250 atingidos dos municípios de Cametá, Baião, Mocajuba, Marabá, Canaã dos Carajás, São Geraldo do Araguaia, São Domingos do Araguaia, São João do Araguaia, Nova Ipixuna e Itupiranga e teve participação de diversas entidades, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Pará (Fetagri-PA), movimento Quilombola e movimento de pescadores.

Além das reivindicações em defesa dos atingidos e contra a hidrovia Araguaia-Tocantins, os manifestantes demandaram assistência do governo estadual para as famílias afetadas pelas enchentes provocadas pelas cheias do rio Tocantins, denunciaram os abusos cometidos pela empresa Equatorial Energia e todas as mazelas geradas pelos grandes projetos do capital na Amazônia.

O ato foi realizado um dia após a data em que se comemora o Dia Internacional de Luta contra as Barragens e o aniversário do MAB de 31 anos. Em todo o país, o MAB está em Jornada de Lutas. “Essa data é especial na memória da luta das populações atingidas, então, hoje estamos aqui, juntamente com os atingidos de vários municípios, para reivindicar as lutas dos que sofrem por conta dessa política energética que favorece o grande capital e tende a acirrar ainda mais a questão social, climática e ambiental”, afirmou Cristiano Medina, integrante do MAB na região Araguaia-Tocantins.

Apresentação da pauta a ALEPA e MPPA

Durante a manifestação, uma comissão foi recebida por parlamentares da ALEPA. Os manifestantes apresentaram a pauta, incluindo reparação imediata dos problemas gerados pelos alagamentos e uma denúncia contra a Equatorial Energia. Estiveram presentes na reunião o presidente da casa, deputado Chicão (MDB), o presidente da Comissão de Direitos Humanos, Carlos Bordalo (PT), Marinor Brito (PSOL), Dirceu TenCaten (PT) e Dilvanda Faro (PT).

Reunião na ALEPA. Foto: Ozeas Santos (AID/Alepa)

Logo em seguida, outra comissão se dirigiu ao Ministério Público Estadual (MPE), onde o órgão firmou um compromisso com os atingidos de construir um cronograma de trabalho que encaminhará as pautas reivindicatórias.

Segundo Jaqueline Damasceno, da coordenação estadual do MAB, o ato foi positivo. “O MAB continuará a sua jornada histórica de lutas em defesa da soberania popular, contra as privatizações e a exploração do povo através das tarifas.”, afirmou.

Conteúdos relacionados
| Publicado 17/03/2022 por Elisa Estronioli / Coletivo de Comunicação MAB, Instituto Socioambiental

Altamira (PA) ainda sofre com falta de água 6 anos após licença de operação de Belo Monte

Saneamento básico é condicionante da hidrelétrica, mas faltam ligações de esgoto, bairros sofrem falta de abastecimento de água e a transferência do sistema para a prefeitura ainda é um impasse.

| Publicado 15/03/2022 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

14 M | MAB realiza atos em todo o país no dia Internacional da Luta contra as Barragens

Após dois anos de isolamento social, sem jornadas presenciais, atingidos por barragens saíram às ruas e realizaram atos, ocupações, plenárias e marchas para denunciar as violações de seus direitos e lutar contra as tentativas de privatizações do setor energético

| Publicado 17/03/2022 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

MAB debate Política Nacional de Direitos das Populações Atingidas por Barragens em audiência no Senado

Senadores prestaram homenagem aos 31 anos do Movimento dos Atingidos por Barragens e anunciaram que a Política Nacional de Direitos das Populações Atingidas por Barragens pode ser votada nas próximas semanas