Após seis meses do rompimento de barragem da Equinox Gold, distrito de Aurizona (MA) segue sem acesso à água potável

Ruptura de barragem da mineradora Equinox Gold devastou Rio Tromaí e deixou 4 mil famílias sem água em Aurizona, distrito de Godofredo Viana (MA)

 Seis meses após o rompimento da barragem de rejeitos de minério da mineradora canadense Equinox Gold, no distrito de Aurizona, em Godofredo Viana (MA), o fornecimento de água ainda não foi restabelecido de forma permanente nas torneiras das mais de quatro mil famílias atingidas. O crime ambiental, ocorrido em 25 de março deste ano, atingiu a Lagoa Pirocaua e o reservatório de captação de água do município, o que comprometeu o fornecimento de água potável para os moradores de todo o distrito. A mineradora está construindo uma nova estação de tratamento, porém, pretende utilizar a água será do reservatório contaminado. 

A restrição ao acesso à informação é mais um crime contra os atingidos, já que até hoje não foi divulgado o laudo técnico da água feito pelo ICMBio, pela Secretaria de Meio Ambiente (SEMA) e pela Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (CAEMA). Mesmo sem os laudos, foi proibida a utilização da água do Reservatório Juiz de Fora, pois há fortes indícios de contaminação pela lama tóxica do rompimento. Ainda assim, a mineradora – que foi obrigada pela Justiça – a fornecer água para a população, segue fazendo sua captação no reservatório, oferecendo sérios riscos à saúde da população. Muitas famílias, inclusive, já relatam problemas de saúde como coceiras, irritações na pele e dores estomacais após uso da água oferecida pela empresa.

Reunião em Aurizona para discutir reparação dos impactos causados pela mineradora Equinox Gold

Outro impacto provocado pela Equinox é o dano às casas da população. Existem mais de quarenta casas rachadas devido às explosões de dinamites da mineradora e não há avanços por parte da Defesa Civil em relação a essa situação. Apesar da tragédia causada pela Equinox Gold, que resultou em diversos impactos sociais e ambientais às famílias que vivem na região, a mineradora continua exercendo sua exploração mineral e aumentando seus lucros. Além do medo com a contaminação da água, muitos moradores vivem apreensivos por conta do medo do deslizamento das montanhas de estéril.

A população atingida permanece organizada em luta para garantir a proteção dos seus direitos. No entanto, lideranças e atingidos vivem sob ameaças, criminalização e perseguição por parte da mineradora, o que gera uma onda de insegurança na comunidade.

Nesses seis meses de rompimento, o MAB segue denunciando as violações de direitos humanos, ressaltando a importância dos atingidos serem incluídos no programa de proteção e na luta pela garantia plena pelo direito à água potável. O acesso à água deve ser garantido de forma permanente, imediata e com qualidade para todas as famílias residentes do distrito de Aurizona.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 28/04/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Maranhão

Água contaminada: moradores de Aurizona (MA) relatam problemas de saúde após rompimento da barragem

Atingidos denunciam fornecimento de água suja que traz diversos problemas para a comunidade; um mês após o crime, empresa permanece negando direitos básicos

| Publicado 25/04/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Nota | Um mês de rompimento em Aurizona: uma população refém da lama tóxica da mineradora Equinox Gold

Completa-se um mês do rompimento da barragem da empresa Equinox Gold em Aurizona; mineradora continua negando rompimento e sistematicamente violando direitos dos atingidos

| Publicado 27/07/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MA

Relatório aponta impactos causados pelas atividades da mineradora Equinox Gold na comunidade de Aurizona, em Godofredo Viana (MA)

Documento do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos do Maranhão revela os prejuízos da atuação da mineradora para a saúde física e mental dos atingidos, além dos impactos socioambientais deixados pelas atividades da MASA Aurizona, de responsabilidade da empresa canadense Equinox Gold