Atingidos por Belo Monte denunciam falta d’água em reassentamento de Altamira (PA)

Segundo a prefeitura do município, a responsabilidade pelo abastecimento de água tratada nos reassentamentos é da empresa Norte Energia

Segundo moradores, a falta de água tem sido um problema constante no Reassentamento Laranjeiras

Uma comissão de moradores do Reassentamento Laranjeiras organizada pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) compareceu hoje, 31, na Coordenadoria de Saneamento (Cosalt) de Altamira (PA) para reclamar das constantes faltas de água no bairro. O Laranjeiras é um dos seis reassentamentos construídos pela Norte Energia onde foram realocadas famílias atingidas pela hidrelétrica de Belo Monte.

A comissão de moradores foi recebida pelo coordenador da Cosalt, Rafael Oliveira. Ele afirmou que a prefeitura ainda não recebeu o sistema de água e saneamento da Concessionária e que a questão está judicializada, pois o município não pretende assumir o sistema enquanto ele não estiver funcionando corretamente. O sistema de abastecimento de água tratada para toda a cidade de Altamira é uma condicionante da construção da Hidrelétrica Belo Monte e deveria ter sido concluído pela concessionária antes da obtenção da licença de operação.

O coordenador da Cosalt explicou que os reassentamentos foram construídos pela Norte Energia sem reservatório de água. Embora ligados à rede geral, eles ainda dependem do abastecimento por caminhões pipa, o que é feito pela empresa. A falta de água é uma queixa constante, não apenas no reassentamento Laranjeiras, mas também nos demais construídos pela empresa.

Comissão de moradores do Reassentamento Laranjeiras se reuniu com Coordenadoria de Saneamento (Cosalt) em Altamira (PA)

Rio barrado e torneiras secas

“Praticamente todo dia falta água, fomos tirados da beira do rio para conviver com torneiras secas”, afirma Delita, moradora da comunidade.

Já Francinete Novaes, que também é moradora da comunidade e integrante da coordenação do MAB, afirma que é imprescindível que seja construído um poço para abastecimento e feita a instalação de mais uma caixa d’água no bairro. “Vamos continuar cobrando a Norte Energia e a prefeitura até termos uma resposta”, ressalta.

De janeiro a julho, a prefeitura de Altamira já recebeu R$ 37 milhões em royalties da hidrelétrica. Já a receita operacional líquida da Norte Energia, de janeiro a junho, foi de R$ 2,33 bilhões. “Não é falta de recursos, é falta de prioridade para a população atingida”, afirma Jackson Dias, morador da comunidade e membro da coordenação do MAB.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 06/08/2021 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Atingidos por Belo Monte e trabalhadores da Norte Energia protestam por direitos

Entre as reivindicações estão questões trabalhistas, demandas de indenização e o reassentamento de famílias atingidas pela inundação da área da lagoa do bairro Jardim Independente I em Altamira (PA).

| Publicado 27/08/2021 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Agricultores familiares atingidos por Belo Monte protestam na Vara Agrária de Altamira

Ordem de reintegração de posse contra agricultores de Anapu (PA) pode deixar 56 famílias desabrigadas

| Publicado 22/07/2021 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Prefeitura de Altamira aponta necessidade de retirar mais 56 imóveis da área da “Lagoa”

Laudo amplia número de imóveis considerados inviáveis de serem ligados ao sistema de saneamento e reconhece a responsabilidade da Norte Energia sobre a remoção das famílias