Como fica o direito à participação nos territórios atingidos pela Vale?

Comitê criado pela Vale divide comunidade e coloca sob tutela da mineradora formato de participação que debate medidas de compensação coletivas para a localidade de Antônio Pereira, distrito de Ouro Preto (MG), que é atingido pela Barragem Doutor

Vista da barragem de rejeitos Doutor, do bairro Loteamento em Antônio Pereira, distrito de Ouro Preto (MG). Os moradores sofrem com o risco de rompimento da barragem e com os transtornos das obras de descaracterização da paisagem. Foto: Coletivo de Comunicação do MAB

Os moradores de Antônio Pereira (distrito de Ouro Preto-MG) são atingidos pela mineração já há muito tempo. Mais recentemente, as pessoas sofrem danos adicionais devido à identificação do risco de rompimento da barragem de rejeitos Doutor, construída próxima à comunidade pela mineradora Vale.

Uma das consequências mais graves da atividade de mineração é a piora na saúde coletiva física e, principalmente, psicológica da população do entorno. Outro dano também profundo e invisível é a perda dos vínculos sociais, familiares e comunitários que, no distrito, está relacionado à remoção de mais de 600 pessoas da área de risco. De acordo com Leticia Oliveira, da coordenação estadual do Movimento dos Atingidos por Barragens, também é comum o surgimento de conflitos entre os atingidos, que decorre da falta de informações claras sobre os processos reparatórios e da atuação contraditória da mineradora. “Isso  parece uma estratégia da empresa focada em estimular a desorganização dos atingidos”, afirma.

As confusões que surgem entre o povo vêm da falta de informação e compreensão do processo resultado da violação do direito dos atingidos de participar dos espaços de decisão. A permanência deste quadro se mostra uma boa estratégia da empresa, para que se prevaleça a desorganização.

No ano passado foram divulgados pela Vale formulários eletrônicos, primeira medida camuflada de participação, apenas 16% dos moradores tiveram acesso. Neste ano, outra medida no mesmo sentido é a formação de um comitê, organizado pela Vale, que reúne lideranças da comunidade, eleitas por votação, que terão a responsabilidade de fazer o processo ser participativo, segundo cartilha divulgada pela empresa.

Este comitê, criado para implantar o Plano de Compensação e Desenvolvimento da Vale, é mais uma estratégia da empresa para alegar que há participação comunitária, sendo que poucas pessoas efetivamente participaram da votação ou estão entendendo o processo. Haverá uma sobrecarga de responsabilidade nas lideranças envolvidas e, além do mais, assegurar o direito à participação não é função da empresa causadora dos danos. Esse papel deve ser cumprido pela Assessoria Técnica Independente, que deve também levantar danos causados pela atividade e produzir dados técnicos. Neste momento, a Guaicuí, entidade escolhida pelos atingidos para prestar assessoria, ainda não iniciou o trabalho devido à morosidade no processo e as contestações da Vale sobre o plano de trabalho.

Para entendermos as jogadas da empresa, tomamos como exemplo a experiência do município de Barão de Cocais (MG), que também vive sob a ameaça de rompimento de uma barragem de rejeitos da Vale. Lá também foi criado um comitê e essa experiência, segundo, Nicolson Pedro, atingido de Barão de Cocais, “serve para fazer propaganda, para que a cidade fique do lado da empresa e contra os atingidos evacuados”.

Estejamos em alerta, pensando e elaborando juntos e juntas a melhor forma de organização, que seja realmente participativa e inclua toda a diversidade de atingidos da comunidade de Antônio Pereira. Não é a Vale a autoridade que organiza o processo de reparação, ela é a pagadora, ela é a criminosa.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 20/08/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Vale recusa nova reunião com atingidos de Antônio Pereira, em Ouro Preto (MG)

Atingidos pela barragem Doutor denunciam que a mineradora toma decisões sem consultar a comunidade e não informa e nem responde questionamentos da população

| Publicado 03/06/2021 por Lina Anchieta / Coletivo de Comunicação MG

Atingidos se manifestam durante simulado de rompimento de barragem da Vale, em Ouro Preto (MG)

Durante uma passeata, os moradores excluídos do programa de remoção da mineradora reivindicavam o direito de serem reconhecidas como atingidos.

| Publicado 29/01/2021 por Olívia Teixeira / Comunicação MAB

“O caminho até o desastre”: Moradoras de cidades ameaçadas por rompimento de barragem, em MG, relatam a luta por direitos

Nas cidades onde há risco de rompimento de barragens, os crimes já acontecem e as mulheres lutam por garantia de direitos e que vidas não sejam perdidas. Leia os relatos: