Dois anos após morte de Dilma Ferreira, ato é realizado no assentamento onde viveu em Baião (PA)

Homenagem marcou a denúncia do brutal assassinato e trouxe a memória da companheira que atuava em defesa do território amazônico

Familiares, vizinhos e amigos realizaram nesta segunda-feira (22) um ato simbólico em memória de Dilma Ferreira, militante do Movimento dos Atingidos por Barragens, covardemente assassinada há dois anos, em 22 de março de 2019.

O local escolhido foi a casa da companheira, local de seu martírio, no assentamento Salvador Allende, em Baião (PA).

Atualmente, há uma família que mantém a posse e está cuidando do lote onde Dilma viveu. Estiveram presentes também integrantes da coordenação do MAB e da Comissão Pastoral da Terra.

Celebração foi realizada na antiga casa de Dilma, no assentamento Salvador Allende (PA) / Foto: MAB

Dilma foi assassinada na madrugada do dia 22 de março de 2019, dentro de casa, junto do companheiro, Claudionor Costa da Silva, e um amigo do casal, chamado Hilton Lopes.

O mandante das mortes é o fazendeiro Fernando Ferreira Rosa Filho, mais conhecido como Fernandinho. De acordo com as investigações da polícia, o fazendeiro via na liderança de Dilma uma barreira para os negócios na região, que envolvem grilagem de terras, extração ilegal de madeira e até tráfico de drogas.

Na véspera do assassinato de Dilma, Fernandinho também encomendou a morte de outros três trabalhadores de sua fazenda, Raimundo Jesus Ferreira, Marlete da Silva Oliveira e Venilson da Silva Santos.

Eles haviam feito reclamações sobre as condições de trabalho degradantes a que vinham sendo submetidos. O assassinato dos seis ficou conhecido como “chacina de Baião”.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 22/06/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

Atingidas na Amazônia denunciam ameaças para relatora da ONU

Mary Lawlor, relatora da Organização das Nações Unidas, ouviu defensoras dos direitos humanos militantes do MAB que estão ameaçadas por grandes empreendimentos na Amazônia

| Publicado 22/03/2020

Dilma Ferreira: seu exemplo nos inspira a lutar

Neste domingo (22 de março), completa-se um ano do assassinato de nossa companheira Dilma Ferreira Silva, coordenadora de base do Movimento dos Atingidos por Barragens, na região atingida pela hidrelétrica de Tucuruí, no Pará.

| Publicado 05/08/2020 por Elisa Estronioli / Coletivo de Comunicação MAB

STF mantém medidas para proteger povos indígenas na pandemia

O Supremo Tribunal Federal (STF) referendou a decisão que obriga o governo federal a adotar medidas para preservar a vida e a saúde dos povos indígenas durante a pandemia de Covid-19