Retrospectiva | Relembre aprovações do Congresso em 2020 sobre barragens e saneamento

Neste ano, legislação coloca regras mais rígidas às mineradoras, por outro lado, as portas da privatização do setor de saneamento foram abertas

Legislação que trata sobre segurança de barragens é sancionada com novas regras a mineradoras

A Lei nº 14066/2020 que trata sobre segurança de barragens no Brasil foi sancionada em setembro deste ano. O debate, que já estava presente no Congresso Nacional, ficou ainda mais quente a partir do crime em Brumadinho, em janeiro de 2019.

A legislação teve dois vetos: o primeiro sobre a conversão das multas para a melhoria dos órgãos de fiscalização, alegando que isso é contrário à organização orçamentária do Estado; e o segundo, com relação às garantias financeiras como seguro ou caução no caso das barragens de água, já que isso poderia inviabilizar essas barragens, que são fundamentais para o abastecimento.

O texto do novo marco proíbe a construção de barragens a montante pela gravidade do risco que expõe as populações, que são exatamente o modelo das barragens em Mariana e Brumadinho que romperam.

As mineradoras terão até 25 de fevereiro de 2022 para acabar com a utilização desse tipo de barragem.

Desde 2015, o MAB promove uma incidência pública para o avanço dos marcos de proteção à segurança das populações atingidas, além da pauta histórica em defesa da Política Nacional de Direitos das Populações Atingidas por Barragens (PNAB).

A obrigatoriedade de elaboração de Planos de Ação Emergencial (PAE) pelos responsáveis das barragens é outro importante avanço, ficando a cargo da população atingida lutar pelo acesso e ter domínio de sua execução.

Também, fica proibida a presença de população em Zonas de Auto Salvamento (ZAS), áreas onde não há possibilidade de salvamento em bairros muito próximos à barragem, hoje essa é a realidade de diversas comunidades. Agora, está previsto o direito de reassentamento.

Para o MAB “era uma vergonha o estado brasileiro permitir que as pessoas vivessem em áreas onde estavam condenadas a morrer em caso de rompimento”.

Marco regulatório do saneamento, na prática, privatiza setor e prejudica municípios mais pobres 

Marcelo Camargo / Agência Brasill
Marcelo Camargo / Agência Brasil

Sancionada por Jair Bolsonaro em julho deste ano, a Lei 14.026/2020 estabelece um novo marco regulatório para o saneamento básico do país, facilitando a privatização do setor.

Agora, empresas públicas não poderão ser contratadas diretamente, e deverão disputar uma licitação com empresas privadas.

A realidade de muitas cidades brasileira, principalmente as pequenas, mostra que o setor é deficitário em alguns munícipios e lucrativo em outros, e quem faz esse equilíbrio para que o acesso seja garantido por todos são as empresas públicas, o que não irá ocorrer agora com a forte entrada das empresas privadas.

Enquanto o setor privado comemorou a aprovação do novo marco, parlamentares e entidades alertaram que a legislação trará consequências diretas para a população e não irá resultar na prometida ampliação de acesso ao saneamento básico.

“Na prática, isso é o estabelecimento da água como uma propriedade privada. A água que não estiver sendo utilizada para produção de eletricidade poderá ser vendida no mercado livre pela própria empresa que detém a outorga, gerando um mercado de compra e venda de água em períodos de escassez e estiagem”, pondera Dalila Calisto, da Coordenação Nacional do MAB.

Segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento de 2018, 83% da população brasileira tem acesso a serviços de abastecimento de água e 53% usam serviços de esgotamento sanitário.

Empresário ligado a setor de bebidas (Solar – Coca-Cola) que utiliza grandes quantidades de água no processo de produção, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), relator do projeto no Senado, multiplicou seu patrimônio em aproximadamente 11 mil por cento, entre 1985 e 2014, passando de um patrimônio de R$ 5 milhões para R$ 533 milhões, de acordo com dados obtidos pela Lei de Acesso à Informação à reportagem do Brasil de Fato.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 22/06/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

Atingidas na Amazônia denunciam ameaças para relatora da ONU

Mary Lawlor, relatora da Organização das Nações Unidas, ouviu defensoras dos direitos humanos militantes do MAB que estão ameaçadas por grandes empreendimentos na Amazônia

| Publicado 23/04/2020

Política de Direitos para as Populações Atingidas por Barragens

Os atingidos e atingidas de todo o país seguem firmes na luta e atentos as articulações no parlamento e fora dele para garantir a aprovação desse importante projeto para o povo.

| Publicado 18/09/2020

Famílias atingidas pela barragem de Acauã (PB) conquistam terra para reassentamento após 18 anos de luta

Em conquista histórica famílias atingidas pela barragem de Acauã, na Paraíba, organizadas no MAB, conseguem terra para reassentamento após mais de 18 anos de luta. Cinco áreas rurais com cerca de 330 hectares serão destinadas ao reassentamento