Apagão no Amapá: Justiça determina que empresa restabeleça energia em três dias

Isolux deve apresentar plano de ações para o restabelecimento do fornecimento em até 12 horas. Crise já dura seis dias

Foto: Rudja Santos/Amazônia Real

A Justiça do Amapá determinou que a empresa espanhola Isolux solucione o problema de falta de fornecimento de energia elétrica no estado no prazo máximo de três dias. Em caso de descumprimento, a multa estabelecida é de R$ 15 milhões.

De acordo com a decisão do juiz João Bosco Soares, publicada na noite de sábado (7), a companhia, responsável pela administração da subestação atingida por um incêndio na última terça-feira (3), deve apresentar em até 12 horas um plano de ações para o restabelecimento de serviço.

A determinação judicial veio após pedido do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). “Onde estava a fiscalização? Por que o sistema não tinha um backup? A demora dessas respostas pesa junto com a demora da resolução total desse problema. Os culpados devem ser responsabilizados IMEDIATAMENTE!”, postou o parlamentar em seu perfil no Twitter.

O magistrado também requisitou a instauração de um inquérito do Tribunal de Contas da União (TCU) e Polícia Federal (PF) para investigar o episódio e a criação de um grupo de trabalho entre o Ministério das Minas e Energia, Eletronorte, Isolux e Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA). Sanções contratuais e legais devem ser impostas à empresa também pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e a Eletronorte, em função da conduta negligente que resultou na interrupção do fornecimento de energia no estado.

Entidades sindicais pedem ação do governo federal no Amapá

A CUT, a Confederação Nacional dos Urbanitários (CNU), a Federação Nacional dos Urbanitários (FNU) e o Sindicato dos Urbanitários do Amapá (Stiu-AP) divulgaram nota pública neste sábado (7) cobrando da Aneel um posicionamento “firme” sobre o apagão no Amapá, repudiando “a tentativa do governo federal de minimizar” o episódio.

As entidades também destacaram o papel do sistema estatal de energia para solucionar o caso. “Cabe ressaltar que a Eletronorte, empresa estatal do Sistema Eletrobras, foi acionada para ajudar o restabelecimento da energia no Amapá, o que não seria possível se o governo levar adiante o plano de privatizar a Eletrobras”, diz o documento.

“A CUT, CNU, FNU e Stiu-AP também prestam solidariedade ao povo do Amapá nesse momento de extrema dificuldade, sem energia elétrica, sem água e com um agravante ainda maior: em plena pandemia da Covid-19”, conclui a nota.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 06/11/2020 por Comunicação - Movimento dos Atingidos por Barragens

No quarto dia de apagão, população do Amapá sofre com falta de energia e água

“Estamos vendo as pessoas terem que ir buscar água no rio Amazonas, o comércio está todo fechado, muitos prejuízos, filas quilométricas nos postos de gasolina e nos grandes mercados que têm gerador”, conta atingido em Macapá

| Publicado 22/11/2020 por Comunicação - Movimento dos Atingidos por Barragens

“Que o que estamos passando no Amapá sirva de lição”, comenta presidente de sindicato dos urbanitários

Crise no estado escancara descaso governamental e efeitos danosos da privatização; leia a entrevista com Jedilson de Oliveira, presidente do STIU-Amapá

| Publicado 02/12/2020 por POCAE - Plataforma Operária e Camponesa da Água e Energia

NOTA | Apagão no Amapá é o colapso da privatização

Organizações do campo popular assinam manifesto que denuncia descaso no estado do Amapá e os males da privatização do setor elétrico