Organizações publicam manifesto contra pronunciamento de Bolsonaro na ONU

Em manifestação à fala do presidente na Assembleia Geral da ONU, no dia 22 de setembro, organizações e movimentos sociais publicam documento em que contestam as afirmações proferidas no discurso

Manifesto contra pronunciamento de Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU

Neste 22 de setembro de 2020, o povo brasileiro consciente da crise política, social, ambiental e econômica que vem se acirrando nos últimos anos no Brasil, sofreu mais um ataque executado pelo presidente Bolsonaro em seu pronunciamento de abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque. Um ataque planejado e consciente, que tem a intensão falaciosa de mostrar ao mundo uma realidade que não corresponde ao que ocorre no Brasil, desde sua chegada ao governo. Não convenceu ninguém, exceto, aquela parcela da população brasileira que o segue fielmente.

Uma vez mais, Bolsonaro envergonha brasileiras e brasileiros com uma fala de apenas 14 minutos, mas repleta de inverdades. São omitidos, propositalmente, números, dados e fatos em relação à destruição da Amazônia, como crimes ambientais. O discurso, desta vez em espaço internacional, não difere dos comumente dirigidos aos seus eleitores no Brasil, contudo, nesta ocasião Bolsonaro fez questão de destacar uma série de temas de extrema relevância ao Brasil e os apresentou com todos os requintes falaciosos possíveis, como forma de esconder as inúmeras denúncias contra ações e omissões danosas do seu governo. Um ato não apenas de desespero, de um governante envolvido em várias acusações de irregularidades, mas também uma enorme covardia contra o povo brasileiro, principalmente as populações nativas.

Para tentar esconder a conivência de seu governo com o desmatamento e a grilagem de terras na Amazônia, principalmente em terras públicas, o presidente acusou de forma irresponsável os indígenas e outras populações tradicionais como responsáveis pelas queimadas na Amazônia. A fala reafirma sua negação de direitos e todo seu ódio aos indígenas, quilombolas e demais povos tradicionais. Efetivamente, o atual governo não somente tem feito poucas ações concretas para punir os verdadeiros responsáveis pela maioria dos crimes ambientais ocorridos repetidamente na Amazônia, mas em alguns casos exonerou os servidores públicos de órgãos de fiscalização que autuaram tais criminosos. Um exemplo, “o dia do fogo” no ano passado, em que centenas de incêndios ateados criminalmente, de forma planejada e articulada, ação que teve como principais suspeitos fazendeiros e grileiros daquela região e presença de mais de 20.000 garimpeiros nas terra indígenas yanomamis no Estado de Roraima.

Toda a intenção do governo Bolsonaro tem sido de desmontar a estrutura – já precária – dos órgãos ambientais, para atender os interesses daqueles que cometem crimes socioambientais contra a Amazônia e seu povo. Bolsonaro chegou a dizer que em seu governo os crimes ambientais “são combatidos com rigor e determinação”, no entanto, são notórias as notícias de que, no primeiro ano de seu mandato, o número de autuações ambientais diminuiu em 34%, considerado o menor índice de autuações nos últimos 24 anos.

Em julho deste ano, a Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Especialista em Meio Ambiente e do Pecma – Ascema Nacional elaborou um manifesto técnico, em que apresentou dados sobre o aumento do desmatamento e queimadas na Amazônia, em decorrência do desmonte das políticas e estruturas de proteção. Na manifestação, a organização recomendou que fossem tomadas medidas urgentes para conter o avanço do desmatamento e das queimadas na Amazônia. Mas, segundo informações recentes da Ascema Nacional, nenhuma das medidas sugeridas pelos servidores foi tomada pelo governo Bolsonaro.

São evidentes as ações organizadas contra as populações amazônicas e sua floresta pelo atual governo, enquanto irresponsavelmente Bolsonaro tenta convencer o mundo de que os responsáveis pelos incêndios foram aqueles que mais defendem a floresta, expondo uma postura covarde e leviana. Uma atitude irresponsável do próprio presidente de criminalização dos povos indígenas e comunidades tradicionais. Afirmar em seu discurso que seu governo tem se preocupado com os crimes ambientais e que combate de forma séria a pandemia provocada pela Covid-19 no Brasil demonstra o desrespeito para com a população brasileira e uma enorme irresponsabilidade.

Em seus diversos discursos, Bolsonaro banaliza o grave momento de pandemia vivido por brasileiras e brasileiros, e envergonha o Brasil perante o mundo. Esconde os verdadeiros culpados pela destruição ambiental que são seus aliados e apoiadores, os empresários do agronegócio. O que na prática acontece é o desmonte da área socioambiental. Enquanto isso, avança de forma acelerada, o desmonte das políticas socioambientais e a destruição da natureza. Uma vergonha!

Nós, cidadãs e cidadãos brasileiros, em especial as e os amazônidas conscientes, manifestamos nosso repúdio a mais este discurso vergonhoso do representante de nossa nação. Repudiamos um governante que utiliza de espaços públicos para expressar toda sua aversão às populações nativas de seu país e, com a ironia frequente, acusar estes povos de responsáveis pelos danos causados à Amazônia, revelando intensão de “passar a boiada” por meio de suas ações contra a Amazônia. Para nós, o atual governo é indigno de ocupar tal cargo e por isto manifestamos nosso protesto contra seu governo.

Brasília, 24 de setembro de 2020.

Assinam este documento:

1. Comissão Pastoral da Terra Brasil 
2. REPAM – Rede Eclesial Panamazonica 
3. Comissão  Dominicana  de Justiça e Paz do Brasil
4. Província Frei Bartolomeu de Las Casas
5. Comitê Goiano de Direitos  Humanos   Dom Tomas Balduino  
6. Centro de Direitos  Humanos de  Formoso  do Araguaia 
7. CRB – Conferência do/as Religiosos/as do Brasil – Núcleo Esperança da Amazônia (Rio Branco)
8. Mesa departamental por la Defensa del agua y el territorio – Florência Caqueta – Colômbia
9. DCE-UFRR 
10. Levante Popular da Juventude 
11. FOSPA – Fórum Social Panamazonico 
12. GRUTER – Grupo de Pesquisa e Extensão sobre Terra e Território na Amazônia
13. Asociación  Minga – Colômbia 
14. Articulação Comboniana de Direitos Humanos
15. Cimi – Regional Norte 1 
16. Pastoral da Juventude – Nacional 
17. Pastoral da Juventude do Meio Popular 
18. Pastoral da Juventude Estudantil
19. Movimento Humano Direitos
20. Coordinadora de integracion de  organizaciones economicas campesinas e indigenas de la amazonia – Bolivia
21. Federación Nacional de Mujeres Campesinas Bartolina Sisa – Bolívia
22. Movimento Nacional Fé e Política
23- Grupo de Fé e Política Padre João Chribbin – Rio de Janeiro
24. Grito dos  Excluídos Nacional
25. Articulação de CEBs Regional Noroeste
26. Centro de formação PATARAYU 
27. Caritas Diocesana de RR 
28. Grupo de Estudos Interdisciplinares sobre Fronteiras – GEIFRON-UFRR
29. Pastorais Sociais da Diocese de RR
30. VIVAT Brasil
31. Pastoral da Juventude Rural
32. CIMI regional amazônia ocidental
33. Rede um Grito pela Vida – Núcleo de Rio Branco/AC
34. Centro de Estudos Bíblicos – CEBI
35. SMDH
36. SPM – Serviço Pastoral dos Migrantes
37. Pastoral Operária Nacional
38. Jubileu Sul Brasil 
39. Pastoral Carcerária
40. MAB – Movimento dos Atingidos por Barragem
41. Seção Sindical dos Docentes da UFRR
42. Comissão 8 da diocese de Rio Branco
43. Rede um Grito pela Vida -Nacional
44. IBC – Instituto  Del Bien Comúm Peru
45. Conferência dos Religiosos do Brasil,  Regional de Porto Velho.
46. CSP – Conlutas regional Roraima
47. Rede um Grito pela Vida-Nacional
48. CRB-Regional Noroeste

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 22/06/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

Atingidas na Amazônia denunciam ameaças para relatora da ONU

Mary Lawlor, relatora da Organização das Nações Unidas, ouviu defensoras dos direitos humanos militantes do MAB que estão ameaçadas por grandes empreendimentos na Amazônia

| Publicado 23/09/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Mato Grosso

Com descaso governamental, estado do Mato Grosso arde em chamas

O estado, que possui três diferentes biomas, sofre com avanço do desmatamento e queimadas enquanto mentiras sobre responsabilização das populações locais são disseminadas

| Publicado 25/09/2020

Nota de pesar pela partida de Dom Capistrano Hem

Nossos sentimentos profundos pela partida do Bispo Dom Capistrano.