MAB e Fiocruz lançam publicação sobre a saúde da mulher atingida

Parceria inédita entre o MAB e Fiocruz discute violações dos direitos das mulheres atingidas por barragens no Rio de Janeiro

Fruto de um longo trabalho desenvolvido no ano de 2019 em parceria com a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV), o MAB e a Fiocruz lançam o livro “Educação Popular, Direitos e Participação Social: Bordando a Saúde das Mulheres Atingidas por Barragens” que, entre outros temas, trata sobre as violações dos direitos das mulheres atingidas. 

Nestes tempos de pandemia, quando sente-se a real importância de um sistema público e universal de saúde, esta publicação é também uma homenagem ao SUS e aos seus trabalhadores, cujo valor, funcionamento e importância de sua manutenção foi apreendido pelas mulheres durante a formação realizada de maio a setembro de 2019.

O livro agora lançado compila o resultado de uma parceria inédita de trabalho entre o MAB e a EPSJV com as mulheres atingidas, cujo programa da formação perpassou pelo tema da saúde, mas versou também sobre o tema dos direitos sociais, a luta contra a construção de barragens, a construção dos espaços de ciranda infantil e a produção das arpilleras como um instrumento de luta e de denúncia.

Mulheres atingidas durante formação. Foto: MAB

Construído por várias mãos, o trabalho é dividido em seis capítulos: A importância do direito à saúde; As mulheres atingidas por barragens e a violação do direito à saúde; O projeto educação popular, direitos e participação social: bordando a saúde das mulheres atingidas por barragens; As arpilleras: tecendo a vida das mulheres; As crianças como sujeitos políticos e A saúde levantando pauta de reivindicação e luta das mulheres.

Entre as metodologias utilizadas no processo formativo, o Diagnóstico Rápido Participativo foi peça chave para as agentes de saúde e moradoras das comunidades do Vale do Guapiaçu levantarem as principais problemáticas da saúde na região. Vale ressaltar que o diagnóstico identificou que, mesmo paralisado, o projeto de barragem no rio Guapiaçu é um fantasma que assombra e retira direitos dos moradores.

Parte do conteúdo desenvolvido durante a formação e apresentado neste livro já foi sistematizado nas arpilleras a partir de um processo intenso de produção embasado no tema gerador associado à saúde. Em cinco comunidades, as mulheres fizeram arpilleras abordando os temas dos direitos à saúde pública, previdência, saneamento, água e educação. Ao final, sete arpilleras foram expostas na cidade de Cachoeiras de Macacu e na sede da Fiocruz, no Rio de Janeiro.

Acesse a publicação.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 01/11/2020 por Claudia Rocha / Comunicação MAB

Mulheres denunciam violações cinco anos após rompimento da barragem de Fundão em ato virtual

Perda de emprego e renda, destruição do ambiente de lazer, aumento do adoecimento e violência são alguns pontos levantados pelas atingidas

| Publicado 22/03/2020

Dilma Ferreira: seu exemplo nos inspira a lutar

Neste domingo (22 de março), completa-se um ano do assassinato de nossa companheira Dilma Ferreira Silva, coordenadora de base do Movimento dos Atingidos por Barragens, na região atingida pela hidrelétrica de Tucuruí, no Pará.

| Publicado 16/03/2020

Artigo: ser mulher atingida é obrigatoriedade de reinventar-se cotidianamente

Como dizer o que não encontra palavras? Nos carece no mais alto dicionário uma descrição precisa das imagens de 5 de novembro de 2015. E para os que tiveram olhos atentos, ver a história se repetir em tragédia no dia 25 de janeiro de 2019. Os rompimentos são a interrupção de dezenas de vidas que viraram centenas e serão milhares.