Eletrobras vende usina eólica lucrativa por menos de 20% do que gastou na construção

A Eletrobras vendeu o controle do Complexo Eólico Campos Neutrais, localizado no extremo sul do Brasil por R$ 500 milhões, valor equivalente ao 17% do gasto de construção da usina.

Foto: Gustavo Gargioni/Palácio Piratini

A Eletrobras vendeu o controle do Complexo Eólico Campos Neutrais – no qual investiu R$ 3,1 bilhões –, por R$ 500 milhões, à empresa Omega Energia. O valor arrecadado corresponde a 17% do gasto de construção da usina localizada no extremo sul do Brasil, na região de fronteira com o Uruguai.

O complexo obteve, em 2017, lucro líquido de R$ 345 milhões. A denúncia é do Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul (Senge-RS). A entidade apresentou, em 2018, uma denúncia ao Ministério Público apontando a inconstitucionalidade do leilão dos Parques Eólicos do Complexo Campos Neutrais.

Considerado o maior complexo eólico da América Latina, Campos Neutrais foi inaugurado em 2011 e tem parques eólicos instalados nos municípios de Santa Vitória do Palmar e Chuí. No total, são 583 MW de capacidade instalada.

Os dados estão compilados em uma nota técnica formulada pelo Senge-RS para fundamentar a denúncia ao MP. O sindicato critica ainda o fato dessa negociação ter ocorrido em plena pandemia do novo coronavírus, sem um debate com a sociedade.

Segundo o diretor do Senge, Luiz Alberto Schreiner, a empresa não tinha a necessária autorização do Legislativo para realizar a venda, uma vez que a Lei 10.848/2004 contém exclusão expressa da Eletrosul do Plano Nacional de Desestatização e a Medida Provisória 814/2017 que permitiria a privatização da Eletrobras foi derrotada.

Privatização

A venda dialoga com o projeto de privatização da Eletrobras, iniciado por Michel Temer (MDB) e encampado governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

A expectativa do mercado financeiro é de que a venda da estatal responsável pela energia elétrica brasileira gere entre R$ 12 bilhões e R$ 16 bilhões aos cofres públicos. Nos últimos dois anos, a empresa lucrou R$ 24 bilhões. Apenas no segundo trimestre de 2020, o lucro atingiu R$ 4,6 bilhões.

*Com informações do Sul21.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 22/11/2020 por Comunicação - Movimento dos Atingidos por Barragens

“Que o que estamos passando no Amapá sirva de lição”, comenta presidente de sindicato dos urbanitários

Crise no estado escancara descaso governamental e efeitos danosos da privatização; leia a entrevista com Jedilson de Oliveira, presidente do STIU-Amapá

| Publicado 28/06/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Rio Grande do Sul

NOTA: MAB denuncia Consulta Pública para privatização de 13 hidrelétricas no RS

Em plena pandemia, enquanto a população sofre os efeitos do avanço da covid-19, como o desemprego em massa e o achatamento da renda, o governador Eduardo Leite (PSDB) e a Agencia Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) preparam a privatização de um importante patrimônio do povo gaúcho.