Atingidos reconstroem acampamento destruído pelo ciclone bomba em SC

Evento meteorológico trouxe estragos e causou 13 mortes na região Sul

Na semana passada, nos dias 1 e 2 de julho, o ciclone bomba que causou destruições em cerca de 135 municípios catarinenses, e foi considerado o pior desastre com ventos da história do Estado, levou abaixo também, o acampamento dos atingidos pela Usina Hidrelétrica de São Roque. Obra da empresa Engevix no Rio Canoas, entre as cidades de Vargem e São José de Cerrito, em Santa Catarina.

Há sete anos, o acampamento é instrumento de luta e união do movimento. É ali que as famílias atingidas se reúnem para pensar a mobilização em defesa dos seus direitos. Embaixo daquela lona, que voou com o vento, com muita persistência e companheirismo, a organização coletiva constrói o caminho da resistência contra a violação dos direitos humanos. É, justamente, o acampamento que pressiona a empresa e une o povo na luta pela justa reparação de direitos.

No sábado (4), diante do momento difícil de crise sanitária, ambiental e política, em um cenário de graves ataques à vida do povo brasileiro, os atingidos de São Roque se reuniram para recolocar em pé o acampamento.

“Nós nos unimos porque lá é a nossa casa, é a casa dos atingidos pela barragem São Roque, é de lá que a gente consegue nossas conquistas, de lá que estamos lutando e temos muito a fazer lá ainda”, conta a atingida Cristiane.

Para o MAB Santa Catarina, o ato de reconstrução reafirma a vontade de contagiar todos aqueles que sonham e lutam por um mundo melhor para a classe trabalhadora. “É isto que precisamos fazer nessa situação crítica que estamos vivendo: reerguer a força do nosso povo, apostar na solidariedade e plantar a semente da esperança que, sim, vamos vencer”, afirma o MAB.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 06/07/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

Em defesa do povo, mais de 90 organizações se unem pelo Fora Bolsonaro

Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, centrais sindicais, movimentos sociais, populares e estudantis, partidos políticos, tradições religiosas e entidades da sociedade civil divulgam documento sobre situação do país e convocam a unidade dos setores democráticos

| Publicado 03/12/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Minas Gerais

Atingidos lançam Jornada de Lutas para marcar dois anos do crime da Vale em Brumadinho

Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB organiza a “Jornada de Lutas: 2 anos do crime da Vale em Brumadinho – Justiça só com luta e organização” para marcar data de um dos maiores crimes socioambientais do mundo

| Publicado 04/07/2020 por João Paulo / Coletivo de Comunicação MAB

Em meio a pandemia, Vale anuncia corte de auxílio dos atingidos no rio Doce

Em carta aos beneficiados, Fundação Renova alega que a manutenção do pagamento “não se justifica”; atingidos do Espírito Santo estão revoltados com a medida da empresa